Cai número de refugiados do norte da África na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 25.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Cai número de refugiados do norte da África na Alemanha

Redução significativa da chegada de requerentes de asilo da Argélia, Tunísia e Marrocos se deve à lei que classifica Magreb como "países de origem seguros", o que facilita a deportação de seus cidadãos.

A imprensa alemã relata nesta segunda-feira (25/04) uma queda significativa no número de requerentes de asilo provenientes dos três países da região do Magreb. Em janeiro, chegaram à Alemanha mais de 3,3 mil refugiados da Argélia, Tunísia e Marrocos. Em março, esse número caiu para 480.

A reportagem dos jornais do grupo de mídia alemão Funke se baseia num relatório do Departamento Federal de Migração e Refugiados da Alemanha (Bamf, na sigla em alemão), elaborado para o Parlamento alemão. O documento atribui a queda ao fato de as três nações serem consideradas "países de origem seguros". Isso significa que os requerentes de asilo magrebinos podem ser deportados mais facilmente.

"Apenas a discussão para a introdução da lei em janeiro de 2016 bastou para uma redução perceptível das novas chegadas a partir de fevereiro", afirma a reportagem, citando o Bamf.

As chances de argelinos, tunisianos e marroquinos receberem asilo na Alemanha já são praticamente nulas. Das cerca de 26 mil pessoas da região que chegaram ao país em 2015, apenas 2,1% receberam asilo. No primeiro trimestre de 2016, essa porcentagem foi reduzida para 0,7%.

A lei que definiu os países do Magreb como seguros teria sido uma reação do governo alemão aos crimes e agressões sexuais ocorridas durante a noite de réveillon em Colônia. Muitas das vítimas afirmaram que os agressores seriam homens de aparência árabe ou norte-africana.

Outra reportagem publicada pelo jornal alemão Die Welt nesta segunda-feira afirma que, mesmo com a queda do número total da chegada de refugiados na Alemanha, o Bamf enfrenta dificuldades para processar devidamente os pedidos de asilo por não possuir funcionários suficientes.

Um relatório confidencial do Bamf ao qual o jornal afirma ter tido acesso revela que seriam necessários em torno de 2 mil funcionários a mais. Segundo o Welt, o Bamf visa empregar 7,3 mil pessoas em todo o país e em sua sede na cidade de Nurembergue. Até o momento, porém, apenas 5 mil postos de trabalho teriam sido preenchidos.

O Bamf recebe o reforço temporário de funcionários dos Correios, das Forças Armadas e da agência nacional de emprego.

RC/kna/afp/rtr

Leia mais