Cabo-de-guerra por 1,8 trilhão de euros prossegue na UE | Notícias internacionais e análises | DW | 18.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Cabo-de-guerra por 1,8 trilhão de euros prossegue na UE

Dirigentes dos 27 Estados se reúnem em Bruxelas para decidir sobre o fundo de ajuda pós-pandemia e o orçamento da União Europeia. Entre exigências do Sul e reticência do Norte, as esperanças recaem sobre Angela Merkel.

Sala de reuniões do Conselho Europeu

Generoso distanciamento social na sala de reuniões do Conselho Europeu

Ao se iniciar o segundo dia da conferência de cúpula da União Europeia em Bruxelas, o silêncio reinante era o que mais chamava a atenção. Nenhum dos chefes de Estado e governo presente tomou o microfone diante das câmeras, como de costume, para anunciar as perspectivas do novo dia de negociações no plenário do Conselho Europeu.

O motivo para tal moderação foi, muito provavelmente, o fato de na véspera não ter ocorrido qualquer aproximação entre os posicionamentos diametralmente opostos dos 27 países-membros, não havendo, portanto, nada de promissor para anunciar.

Desde as 11 horas deste sábado (18/07) delibera-se oficialmente tanto sobre o fundo de ajuda para após a crise do coronavírus, no valor de 750 bilhões de euros, como sobre o orçamento da UE até 2027, totalizando 1,1 trilhão de euros. Trata-se do primeiro encontro dos líderes europeus cara a cara, desde o início da pandemia do coronavírus, em março.

Na noite anterior, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, destacara o clima tenso, o qual ainda se agravou no decorrer do jantar. Da mesma forma que outros países doadores, como Dinamarca, Suécia e Áustria, Rutte exige que os subsídios de um fundo de recuperação só sejam pagos mediante condições rigorosas, cujo cumprimento deve ser "absolutamente garantido", por exemplo, através de resoluções unânimes.

Prováveis receptores, como Itália, Espanha e Grécia, rejeitam essa visão. Para o premiê italiano, Giuseppe Conte, não é aceitável a exigência holandesa de um veto dos pagamentos. Outros chefes de governo também veem a estruturação do fundo com olhos críticos: em entrevista à emissora ORF, o austríaco Sebastian Kurz voltou a questionar o financiamento através de dívidas conjuntas da UE. Segundo ele, não se pode criar uma "União das Dívidas".

Seu colega búlgaro, Boyko Borissov, propôs que a Comissão Europeia e os ministros de Finanças do bloco fiquem encarregados de administrar as subvenções. Deve-se partir do princípio que todos os membros da UE se norteiam pelo Estado de direito, não são necessários outros mecanismos de controle, defendeu o premiê, lembrando que a Comissão pode sustar desde já os pagamentos aos países que não se atenham às normas.

Giuseppe Conte, Mark Rutte, Angela Merkel e Ursula von der Leyen em Bruxelas

Baile de mascarados em Bruxelas: da esq. para a dir., Giuseppe Conte, Mark Rutte, Angela Merkel e Ursula von der Leyen

"Maestra Merkel"

Segundo fontes diplomáticas, o presidente da rodada de cúpula, Charles Michel, e a atual detentora da presidência rotativa do Conselho Europeu, Angela Merkel, mandaram elaborar durante a noite novas propostas de consenso, sobre as quais os dirigentes estão deliberando, em grupos de trabalho de tamanhos diversos. Na sexta-feira, na abertura da conferência, a chanceler federal alemã manifestou ceticismo de que se vá encontrar uma solução.

Caso fracasse a atual cúpula, será programada uma segunda maratona de negociações ainda antes do fim de julho. O chefe de Estado da França, Emmanuel Macron, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, aconselharam que se decida rápido, considerando o catastrófico impacto econômico da epidemia de covid-19. Segundo Von der Leyen, "é infinitamente importante, há muito em jogo"; enquanto Macron se referiu a uma "hora da verdade" para a Europa.

Grandes esperanças recaem sobre Merkel, como chefe de governo há mais tempo no cargo e que já participa pela terceira vez de negociações sobre o orçamento da UE. Além disso, é a Alemanha que contribuiria com a parte do leão desse fundo de reconstrução.

Possivelmente por isso, o chefe de Estado da Lituânia, Gitanas Nausėda, presenteou uma batuta de maestro à presidente em exercício do Conselho Europeu, que comemorava seu 66º aniversário. "Feliz aniversário, querida Sra. chanceler federal Angela Merkel, Regente Europeia 2020!", escreveu no Twitter, "Por sons harmônicos na política, para uma grandiosa sinfonia europeia!".

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais