Câmara aprova Lei da Copa sem proibir venda de bebidas alcoólicas | Leia as principais notícias sobre o futebol internacional | DW | 29.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Câmara aprova Lei da Copa sem proibir venda de bebidas alcoólicas

Deputados descartam proibição explícita da comercialização de álcool nos estádios da Copa e suspendem artigo do Estatuto do Torcedor que proíbe a venda. Projeto de lei vai agora para o Senado.

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (28/03) o texto da Lei Geral da Copa, que determina as diretrizes para o evento, sem uma proibição explícita da venda de bebidas alcoólicas nos estádios.

Antes da votação, um destaque que vetava claramente a venda de álcool foi retirado do texto final pelo relator do projeto, Vicente Candido. Os deputados, por sua vez, decidiram suspender o artigo 13 do Estatuto do Torcedor, que também prevê a proibição da venda e consumo de bebidas alcoólicas nas arenas esportivas.

Na interpretação dos deputados, fica liberada a venda e o consumo de bebida alcoólica nos estádios de futebol onde ocorrerem partidas da Copa do Mundo, exceto naqueles estados que possuem lei própria sobre o tema. Neste casos, a Fifa terá de negociar a liberação com os governos estaduais.

A questão da bebida gerou polêmica e foi votada separadamente. Para que o texto final fosse aprovado, foram feitas outras modificações para agradar os deputados descontentes da base de apoio do governo e da oposição. Uma delas é o estabelecimento de um mínimo de 10% de bilhetes populares, mais baratos e destinados a estudantes e beneficiários de programas sociais, nos dias de jogos do Brasil.

O atraso na votação da Lei da Copa é a principal preocupação da Fifa em relação ao Mundial de 2014 e já foi criticado por dirigentes da entidade, inclusive pelo presidente Joseph Blatter, que esteve no Brasil no último dia 16.

O texto da Lei Geral da Copa, que será agora analisado e votado pelo Senado, disciplina os direitos comerciais da Fifa na realização da Copa do Mundo de 2014 e estabelece privilégios temporários à entidade e seus associados durante o evento esportivo. Se os senadores alterarem a proposta, ela terá que voltar à Câmara para nova votação, antes de seguir para a sanção presidencial.

AS/abr/lusa/acn
Revisão: Nádia Pontes

Leia mais