Cármen Lúcia assume presidência do STF | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Cármen Lúcia assume presidência do STF

Ministra substitui Ricardo Lewandowski no comando da Corte. Em discurso acompanhado por Lula e Temer, ela cumprimenta "Sua Excelência, o povo" e defende transformação do Judiciário. Dias Toffoli é empossado vice.

A ministra Cármen Lúcia entre o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o presidente Michel Temer

A ministra Cármen Lúcia entre o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o presidente Michel Temer

A ministra Cármen Lúcia tomou posse nesta segunda-feira (12/09) como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), tornando-se a segunda mulher a ocupar o posto – a primeira foi a ex-ministra Ellen Gracie, entre 2006 e 2008. Com um mandato de dois anos, ela substitui Ricardo Lewandowski.

O ministro Dias Toffoli foi empossado vice-presidente da Corte também nesta segunda-feira. A partir de 2018, ele assume a presidência no lugar de Cármen Lúcia. O posto de presidente do STF é ocupado pelo ministro mais antigo que ainda não tenha exercido o cargo.

Entre os cerca de 2 mil convidados da cerimônia em Brasília, estiveram o presidente Michel Temer, os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Sarney, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Foi a primeira vez que Lula compareceu a uma posse no Supremo desde que deixou a presidência da República, em 2010. O petista nomeou sete dos atuais ministros do STF, incluindo Cármen Lúcia.

A convite da nova presidente, o hino nacional foi interpretado por Caetano Veloso, abrindo o evento no plenário da Corte. Em seguida, os ministros prestaram juramento à Constituição.

"Sua Excelência, o povo"

Em seu primeiro discurso, Cármen Lúcia afirmou que quebraria o protocolo e, em vez de se dirigir primeiro aos integrantes da mesa de convidados, entre eles, o presidente Temer, cumprimentaria o cidadão brasileiro, a quem chamou de "autoridade suprema sobre todos nós, servidores públicos".

Na fala, a ministra defendeu uma transformação do Judiciário, que classificou como "urgente e necessária". "Há de se reconhecer que o cidadão não há de estar satisfeito hoje com o Poder Judiciário. O juiz também não está", declarou ela. "O Judiciário brasileiro reclama mudanças. Estamos fazendo mudanças, e é preciso que elas continuem e cada vez com mais pressa."

Cármen Lúcia afirmou ainda que seus projetos para melhorar o Judiciário serão expostos "breve e pormenorizadamente aos cidadãos". Apesar dos atuais problemas do Brasil – "alguma coisa está fora da ordem", disse, citando Caetano –, ela concluiu o discurso dizendo que "o tempo é de esperança".

"Cansamos de ser país de um futuro que não chega nunca. O futuro é hoje e deve ser construído com a participação de todos", afirmou a ministra. "O Brasil é cada um e todos nós. O Brasil que queremos, que seja mesmo pátria mãe gentil para todos os brasileiros e não apenas para alguns."

Uma das prioridades já anunciadas por Cármen Lúcia como objetivo central de sua gestão é a diminuição do tempo de duração dos processos, que costumam tramitar por longo tempo na Corte.

Políticos viram alvo do Judiciário

O combate à corrupção marcou a tônica dos discursos de outros representantes da classe jurídica, como o ministro do STF Celso de Mello e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Mello, sem citar a Operação Lava Jato, falou sobre a formação de "uma estranha e perigosa aliança entre determinados setores do Poder Público e agentes empresariais", cujas práticas "enfraquecem as instituições, corrompem os valores da democracia, da ética e da justiça e comprometem a própria sustentabilidade do Estado Democrático de Direito".

O decano usou termos fortes – "captura das instituições do Estado por organizações criminosas", "profanadores dos valores republicanos" e "marginais da República" – para destacar à presidente Cármen Lúcia o papel institucional do STF em fazer prevalecer a lei e a Constituição.

Janot, por sua vez, citou diretamente a Lava Jato ao discursar. Segundo ele, a operação teve como grande mérito ressaltar deficiências dos sistemas político e jurídico.

O procurador condenou as ameaças contra a investigação e as tentativas de desconstruir a imagem de investigadores e juízes envolvidos na operação por meio de "atos midiáticos", que buscam prejudicar "o trabalho sério e isento desenvolvido nas investigações da Lava Jato", afirmou ele.

"Há hoje um consenso cristalizado na sociedade brasileira de que é preciso punir os corruptos e de que o sistema jurídico vigente no país é inepto para tal propósito. Precisamos de mudanças. Se as nossas propostas não são boas, pois que se apresentem outras melhores", disse Janot.

EK/abr/lusa/ots

Leia mais