Cármen Lúcia arquiva investigação envolvendo ministros do STF | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Cármen Lúcia arquiva investigação envolvendo ministros do STF

Relatório final da Polícia Federal conclui que não há indícios da participação de magistrados em atos ilícitos, e presidente da corte arquiva o caso. Inquérito apurava menções a ministros em áudio de Joesley Batista.

Cármen Lúcia

Para a presidente do STF, inquérito foi necessário para descartar qualquer dúvida sobre a conduta dos ministros

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta quinta-feira (21/06) que decidiu arquivar uma investigação aberta no ano passado, a pedido dela mesma, para apurar menções a ministros da corte feitas em gravação de executivos da empresa JBS.

A decisão foi tomada após o recebimento do relatório final do inquérito, entregue pelo diretor-geral da Polícia Federal (PF), Rogério Galloro. Segundo a ministra, o documento concluiu que "não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos ou citados em qualquer ato ilícito".

A presidente da corte destacou que a investigação foi importante para descartar qualquer dúvida sobre a conduta dos ministros que compõem o STF, uma instituição que, segundo ela, "tem o compromisso da guarda da Constituição e tem como um de seus princípios a moralidade pública".

Em setembro de 2017, Cármen Lúcia pediu ao então diretor-geral da PF, Leandro Daiello, que abrisse um inquérito para apurar a gravação de uma conversa entre os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud, ambos da JBS, na qual mencionavam ministros do Supremo.

O áudio, que teria sido gravado acidentalmente, foi entregue pelos executivos, aparentemente por descuido dos advogados, à Procuradoria-Geral da República (PGR) em 31 de agosto, em meio a centenas de outros arquivos que serviriam para embasar as delações premiadas de ambos.

O teor das gravações levou o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a pedir a revogação dos acordos de colaboração dos executivos. A solicitação ainda não foi julgada pelo Supremo.

No áudio, que teve o sigilo retirado pelo ministro Edson Fachin e foi amplamente repercutido na imprensa, Batista e Saud conversam descontraidamente sobre vários assuntos. Mencionam, por exemplo, que uma integrante da equipe de advogados da JBS estaria preocupada com a possibilidade de a delação dos dois atingir ministros do STF.

Em outro momento, eles falam sobre uma tentativa de gravar uma conversa do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo para conseguir provas sobre supostas irregularidades cometidas por ministros da corte. Com isso, eles pretendiam negociar um acordo de delação premiada mais vantajoso.

O áudio entregue à PGR, contudo, não traz evidências de supostas irregularidades cometidas por integrantes do Supremo, ficando apenas na especulação em torno dos nomes. São mencionados ao menos três ministros: Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia.

Na ocasião, a presidente do STF declarou que a gravação é uma agressão inédita à dignidade da corte e pediu "prioridade e presteza" para apuração "clara, profunda e definitiva das alegações".

EK/abr/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais