ButanVac gera resposta imune potente, aponta estudo preliminar | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 28.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

ButanVac gera resposta imune potente, aponta estudo preliminar

Testes realizados na Tailândia indicam que candidata a vacina contra covid desenvolvida pelo Instituto Butantan é segura é apresentou forte imunogenicidade. Imunizante também está em teste no Brasil.

Vacina

Participaram do estudo na Tailândia 210 voluntários adultos

A ButanVac, candidata a vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, apresentou bons resultados em termos de segurança e resposta imunológica na primeira fase de estudos realizados em humanos. Os dados preliminares foram divulgados em artigo publicado na plataforma de pré-prints (versão preliminar, ainda não revisada por outros cientistas) MedRxiv na semana passada e noticiados pela imprensa brasileira nesta segunda-feira (27/09).

A vacina, chamada internacionalmente de NDV-HXP-S, está em desenvolvimento no Brasil, no Vietnã e na Tailândia, de onde provêm os resultados iniciais agora divulgados.

Nesta fase 1 dos ensaios clínicos, 210 adultos saudáveis, com idades entre 18 e 59 anos, receberam duas doses do imunizante com intervalo de 28 dias entre elas.

Segundo o estudo tailandês, randomizado e controlado por placebo, a ButanVac apresentou um "perfil de segurança aceitável" e "imunogenicidade potente", ou seja, forte capacidade de gerar resposta imune.

Os efeitos colaterais mais comuns relatados pelos voluntários foram dor no local da injeção, fadiga, dor de cabeça e dor muscular. Não houve nenhum efeito adverso grave.

Os ensaios foram financiados pelo Instituto Nacional de Vacinas da Tailândia, o Conselho Nacional de Pesquisa da Tailândia, a Fundação Bill & Melinda Gates e os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA. Participaram pesquisadores da Universidade Mahidol, na Bangkok, da Icahn Escola de Medicina Monte Sinai, de Nova York, e da Universidade do Texas, em Austin.

A ButanVac é resultado de um consórcio internacional que tem, como produtores públicos, o Butantan, o Instituto de Vacinas e Biologia Médica do Vietnã e a Organização Farmacêutica Governamental da Tailândia.

Imunizante barato e fabricado inteiramente no Brasil

No Brasil, o início da produção da nova vacina pelo Instituto Butantan foi anunciada pelo governador de São Paulo, João Doria, no fim de abril.

O Instituto Butantan pretende que a ButanVac seja fabricada totalmente no Brasil com custos baixos, sem dependência de insumo importado – o que seria uma grande vantagem em relação à vacina da AstraZeneca e à Coronavac. O Butantan é responsável pelo envasamento local da Coronavac, de origem chinesa. O envasamento, que é a última etapa de produção, é feito a partir de matéria-prima importada da China.

A ButanVac é feita a partir da técnica de vírus inativado, descrita pelo Butantan como uma das mais seguras do mundo, e usa a tecnologia de inoculação do vírus em ovos embrionados de galinhas, a mesma da vacina da gripe.

De acordo com o instituto, além de ser barata e muito disseminada, especialmente em países emergentes, a técnica é uma especialidade do Butantan: o Instituto produz anualmente 80 milhões de vacinas da gripe usando ovos.

A tecnologia da ButanVac, desenvolvida nos Estados Unidos, utiliza um vetor viral que contém a proteína spike do coronavírus de forma íntegra. O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle, uma infecção que afeta aves. Por esta razão, o vírus se desenvolve bem em ovos embrionados, permitindo eficiência produtiva num processo similar ao utilizado na vacina da gripe.

Em contraste com o vírus da influenza, o vírus da Doença de Newcastle não causa sintomas em seres humanos, sendo uma alternativa muito segura na produção. Além disso, o vírus é inativado para a formulação, facilitando sua estabilidade e deixando a vacina ainda mais segura.

Após aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ensaios clínicos da ButanVac também já estão ocorrendo no Brasil - em Ribeirão Preto (SP), Guaxupé (MG), São Sebastião do Paraíso (MG) e Itamogi (MG). Testes também estão em andamento no Vietnã.

lpf (ots)

Leia mais