Brinquedo sexual é confundido com ″granada″ da 2º Guerra na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 27.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Brinquedo sexual é confundido com "granada" da 2º Guerra na Alemanha

Esquadrão antibombas foi acionado para desarmar objeto com formato de granada de mão encontrado numa floresta. Mas "explosivo" na realidade era brinquedo sexual de borracha.

Faixa branca e vermelha impede a passagem de pessoas. Ao fundo, desfocada, está uma viatura da polícia, que na Alemanha tem as cores azul e amarela.

Na Alemanha, não é raro encontrar explosivos da época da Segunda Guerra. Todos os anos, peritos desarmam cerca de 5 mil bombas

Um esquadrão antibombas foi acionado na Alemanha para desarmar um explosivo que seria da época da Segunda Guerra Mundial. No entanto, a situação não passou de um mal-entendido: na verdade, o explosivo era um brinquedo sexual em formato de granada de mão.

Na segunda-feira (26/04), uma mulher que praticava jogging encontrou o brinquedo sexual no gramado de uma floresta na cidade de Sonnen, na Baviera. A "granada" estava em uma bolsa transparente com vários objetos, informou a polícia nesta terça-feira.

Um esquadrão foi acionado para o "descarte de explosivos perigosos". Porém, em vez de um explosivo, a equipe encontrou apenas preservativos e lubrificante, além de uma falsa granada de borracha.

"A pesquisa na internet confirmou a suspeita. Na verdade, existem brinquedos sexuais na forma de granadas de mão. E era disso que se tratava aqui", disse a polícia.

De acordo com um porta-voz da polícia, provavelmente alguém queria descartar os objetos sem jogá-los no lixo e, por isso, os deixou na floresta.

Mais de 75 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, estima-se que milhares de explosivos continuem escondidos em solo alemão e não é incomum encontrá-los. Todos os anos, peritos desarmam cerca de 5 mil bombas, além de toneladas de outras munições. Muitas vezes, é preciso evacuar bairros inteiros para desarmar as bombas.

A maior evacuação do tipo desde 1945 ocorreu em setembro de 2017, em Frankfurt, onde foi encontrada uma enorme bomba britânica com uma carga explosiva de 1,4 tonelada. Cerca de 60 mil habitantes tiveram que deixar suas casas.

Em abril de 2020, uma bomba aérea de 500 quilosfoi descoberta durante trabalhos de construção diante de um prédio do Hospital Universitário de Bonn, forçando a evacuação de várias pessoas, entre elas cerca de 380 pacientes, alguns com covid-19. 

Em janeiro de 2020, duas bombas da Segunda Guerra foram desativadas com sucesso após a evacuação de 14 mil pessoas em Dortmund.

Os dois artefatos – uma bomba americana e uma britânica – que pesavam 250 quilos cada foram descobertos no distrito hospitalar da cidade.

Em 2015, na mesma cidade, uma bomba não detonada de 250 quilos, de origem britânica, foi encontrada perto do estádio do Borussia Dortmund, o Signal Iduna Park. Tanto o estádio quanto um espaço destinado aos torcedores, o BVB-Fan World, foram evacuados até que o artefato fosse desativado.

Em agosto de 2017, o aeroporto de Tegel, em Berlim, teve que ser fechado temporariamente para a remoção de uma bomba de cem quilos.

Em junho de 2019, uma bomba americana de 100 quilos foi desativada no centro de Berlim, perto da icônica Alexanderplatz. Cerca de 3 mil pessoas foram evacuadas e um perímetro de segurança de 300 metros foi estabelecido.

Também não é incomum que frequentadores das praias no norte do país encontrem fragmentos de antigas bombas de fósforo, que podem ser confundidas com pedras de âmbar, uma resina fóssil usada na fabricação de joias.

Também não é incomum a polícia ter que lidar com antigas granadas. Em 2009, um cachorro desenterrou uma antiga granada da Segunda Guerra no Vale de Neandertal, no oeste da Alemanha. 

Em 2017, um octogenário do sul da Alemanha alertou autoridades sobre suposto explosivo em seu quintal, mas policiais concluíram que se tratava de alarme falso. O objeto não passava de uma abobrinha de cinco quilos

le (dpa, ots)

Leia mais