Brasileiros vão às urnas após campanha dominada pelo debate religioso | Eleições 2018 | DW | 30.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Brasileiros vão às urnas após campanha dominada pelo debate religioso

As posições dos dois candidatos sobre o aborto acabaram dominando as discussões durante o segundo turno da campanha à Presidência da República, ofuscando as propostas programáticas de cada um para o futuro do Brasil.

default

Serra e Dilma no debate da Globo, o último da campanha

Nem os problemas econômicos nem os desafios sociais ou ambientais do Brasil: o debate em torno do aborto, inflamado pela Igreja Católica e pelas igrejas evangélicas, acabou sendo o tema central da campanha presidencial brasileira durante o segundo turno.

A discussão começou já no final do primeiro turno e é apontada pelos institutos de pesquisa como um dos principais fatores que levaram a candidata da situação, Dilma Rousseff, a não vencer a disputa já no dia 3 de outubro.

Poucos dias antes do primeiro turno, cresceram entre os setores religiosos os boatos de que Dilma era a favor do aborto. Os boatos se baseavam em entrevistas da petista de quando ela ainda não era candidata, nas quais defenderia, supostamente, a descriminalização da prática. Os boatos teriam sido determinantes para que a candidata não vencesse a eleição no primeiro turno, segundo avaliação do próprio comitê de campanha petista.

Temendo perder votos entre os eleitores religiosos, tanto Dilma como o candidato da oposição, José Serra, trataram de esclarecer suas posições sobre o tema durante o segundo turno da campanha. "Sou contra a liberação do aborto", afirmou Serra em entrevista ao Jornal Nacional.

A petista também disse ser contra o aborto. "Cansei de repetir qual é a minha posição nessa questão do aborto. Eu, pessoalmente, sou contra o aborto, mas sei que a cada dois dias morre uma mulher nessas circunstâncias", argumentou.

Influência da igreja

Para o cientista político Cláudio Couto, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Dilma errou ao não se preocupar com exigências do eleitorado religioso desde o início da campanha. Ele lembrou que, em 2002, o apoio dos evangélicos foi importante para a vitória de Lula.

Já na opinião do cientista político David Fleischer, da Universidade de Brasília, a igreja também errou ao levantar a questão do aborto. "O debate mostrou que a Igreja Católica não tem muita influência sobre os seus fiéis, pois Dilma continua liderando entre os católicos, tanto os praticantes como os não praticantes", declarou à Deutsche Welle.

"E também mostrou que alguns dos evangélicos têm mais influência sobre seus fiéis do que os católicos, porque Serra pontua melhor nesse eleitorado", complementou.

O cientista político Daniel Flemes, do instituto Giga, de Hamburgo, relativizou a importância do debate. "A comunidade evangélica dá uma grande importância aos princípios morais e religiosos dos candidatos. Mas, para os demais eleitores, esses valores são ofuscados pelos programas sociais e econômicos dos candidatos, pelos planos de criar emprego, redistribuir riqueza, diminuir a pobreza, elevar o salário mínimo e proteger o meio ambiente", afirmou à Deutsche Welle.

Na reta final da campanha, até mesmo o papa entrou no debate. Nesta quinta-feira (28/10), Bento 16 pediu a um grupo de bispos brasileiros que orientem politicamente os fiéis católicos, sem mencionar diretamente as eleições. "Os sacerdotes têm o sério dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas", declarou no Vaticano.

Autores: Alexandre Schossler e Evan Romero

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados