Brasileiro ligado ao EI planejava ataque na Olimpíada do Rio, diz França | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasileiro ligado ao EI planejava ataque na Olimpíada do Rio, diz França

Relatório de serviços de inteligência do governo francês diz que brasileiro do grupo "Estado Islâmico" estaria "prestes a cometer atentados contra a delegação francesa nos Jogos". Abin diz que não foi notificada.

Um relatório de serviços de inteligência do governo francês divulgado nesta quarta-feira (13/07) pela Assembleia Nacional mostra que um brasileiro ligado ao grupo "Estado Islâmico" (EI) planejava um ataque contra a delegação francesa durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto.

A informação foi revelada pelo chefe da Direção de Inteligência Militar, general Christophe Gomart, ao falar sobre o inquérito parlamentar que apura os ataques de 13 de novembro do ano passado em Paris, que deixaram 130 mortos. A audiência ocorreu em 26 de maio, mas o relatório sobre a reunião só foi divulgado nesta quarta-feira.

O relatório não informa a identidade nem a localização exata do suspeito, que não era "necessariamente no Brasil". O general afirmou que o membro brasileiro do EI estaria "prestes a cometer atentados contra a delegação francesa nos Jogos".

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) não recebeu um comunicado oficial do governo francês sobre o suspeito. "Ainda não, hoje não", disse o diretor-geral do órgão, Wilson Roberto Trezza. "Certamente nós vamos sentar para conversar sobre isso", afirmou ressaltando que os serviços secretos dos dois países mantêm conversações permanentes.

Na semana passada, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, voltou a afirmar que nenhuma agência de inteligência internacional rastreou qualquer ameaça de ataque terrorista durante a Olimpíada.

Em junho, a Abin confirmou a existência de um grupo em português do "Estado Islâmico" (EI) no aplicativo de mensagens instantâneas Telegram, chamado "Nashir Português". O nome é uma referência à agência de notícias dos jihadistas, a "Nashir News Agency".

KG/lusa/ots

Leia mais