Brasil tem menor taxa Selic da história | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 07.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil tem menor taxa Selic da história

Banco Central anuncia corte de taxa básica de juros de 7% para 6,75% ao ano. Redução era esperada pelo mercado. Após onze quedas consecutivas, Copom sinaliza fim de ciclo.

Sede do Banco Central em Fortaleza

Selic é um dos principais instrumentos do Banco Central para controlar a inflação

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu nesta quarta-feira (07/02) a taxa básica anual de juros, a Selic, em 0,25 ponto percentual, de 7% para 6,75% ao ano. Essa foi a 11ª redução consecutiva da taxa, que alcançou o menor nível desde o início da série histórica, em 1986.

O corte já era esperado pelo mercado. O Copom, no entanto, indicou que pretende parar de reduzir a taxa. "Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, o comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária", afirmou.

Leia mais: Eleição presidencial deve influenciar desempenho do PIB em 2018

Apesar do atual corte, o Banco Central já vinha segurando o ritmo da queda da taxa nos últimos anúncios. De abril a setembro de 2017, o Copom reduziu a Selic em 1 ponto percentual. Em outubro, o corte caiu para 0,75 ponto, em dezembro foi de 0,5 ponto.

O Banco Central destacou, porém, que pode voltar ao ciclo de quedas da Selic se reformas estruturais forem aprovadas pelo Congresso, incluindo a da Previdência, e se houver uma mudança no cenário básico.

"O Copom ressalta que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação", acrescentou.

A Selic é uma referência para as demais taxas de juros da economia e um dos principais instrumentos do Banco Central para controlar a inflação. Se a inflação está alta, o BC pode aumentar os juros, fazendo com que o custo do crédito aumente no país e esfrie o consumo. Se a demanda é menor, os preços caem.

Mas, se a Selic cai, o efeito é o contrário: o consumo é estimulado e a inflação pode ser pressionada. Para decidir sobre a taxa, o Copom, composto por membros da diretoria do BC, reúne-se oito vezes por ano para avaliar a situação econômica do país e definir o percentual.

CN/afp/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais