Brasil tem 28 mil casos e 869 mortes por covid em 24 horas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 26.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil tem 28 mil casos e 869 mortes por covid em 24 horas

Ao todo, país soma mais de 4,71 milhões de infectados e 141 mil mortos pela doença, segundo dados do Conass. São Paulo é o estado mais afetado seguido por Bahia e Minas Gerais.

Militares desinfetam Catedral Nossa Senhora Aparecida em Brasília

Taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 67,09 no Brasil

O Brasil registrou 28.378 casos confirmados de coronavírus e 869 mortes ligadas à doença nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) neste sábado (26/09).

O balanço eleva o total de infectados para 4.717.991, enquanto o total de óbitos chega a 141.406. O Conass não divulga número de recuperados.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais de casos e mortes devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação. As cifras reportadas no fim de semana também costumam ser mais baixas, já que equipes responsáveis pela notificação funcionam em escala reduzida.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 970.888 casos e 35.063 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados em praticamente todos os países do mundo, exceto Estados Unidos (7 milhões), Índia (5,9 milhões) e Rússia (1,1 milhão).

A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 305.186, seguida de Minas Gerais (286.350), Rio de Janeiro (259.670), Ceará (238.568) e Pará (226.826).

Já em número de mortos, o Rio é o segundo estado com mais vítimas, somando 18.247 óbitos. Em seguida vêm Ceará (8.913), Pernambuco (8.156), Minas Gerais (7.181), Bahia (6.552) e Pará (6.534).

A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 67,09 no Brasil, uma das mais altas do mundo. A cifra fica bem acima da registrada em países vizinhos como Argentina (34,18) e Uruguai (1,36), e também supera a dos EUA (62,28), nação mais atingida pela pandemia no planeta, e a do Reino Unido (63,21), país europeu com mais mortes.

Em números absolutos, o Brasil é o terceiro país do mundo com mais infecções, atrás apenas dos Estados Unidos, que nesta quarta-feira somavam 7,05 milhões de casos, e da Índia, com 5,9 milhões.

Mas é o segundo em número de mortos, depois dos EUA, que já registraram mais de 204 mil óbitos em decorrência da covid-19.

A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia e depois flexibilizou as restrições, é a terceira nação com mais mortos, somando 93,37 mil óbitos.

Ao todo, o mundo já registrou mais de 32,6 milhões de infecções pelo coronavírus, enquanto mais de 990 mil morreram em decorrência da doença, segundo contagem mantida pela Universidade Johns Hopkins.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou neste sábado que a covid-19 pode causar até 2 milhões de mortes antes de que uma vacina esteja disponível e ressaltou a importância das medidas para conter a pandemia: a higiene, uso de máscara, distanciamento social, a testagem em massa e quarentena.

CN/ots

Leia mais