Brasil suspende importações de carne suína da Alemanha | Notícias internacionais e análises | DW | 14.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Brasil suspende importações de carne suína da Alemanha

Governo brasileiro adota embargo e pede esclarecimentos às autoridades alemãs, após confirmação do primeiro caso de peste suína africana na Alemanha. Argentina, China e outras nações importadoras também adotaram medida.

Porcos em fazenda na Alemanha

O mercado interno da UE é destino de cerca de 70% das exportações de carne suína da Alemanha

O Brasil suspendeu as importações de carne de porco da Alemanha, em reação à confirmação de um caso de peste suína africana no país europeu na semana passada. O embargo foi confirmado nesta segunda-feira (14/09) pelo Ministério da Agricultura brasileiro à imprensa dos dois países.

Segundo a pasta comandada pela ministra Tereza Cristina, foram suspensas as compras de carne suína in natura e pouco processada. O ministério também informou que enviou um comunicado às autoridades sanitárias alemãs pedindo informações detalhadas sobre as medidas de segurança adotadas pelas empresas na Alemanha.

"Eles vão ter que explicar como está a biossegurança das unidades industriais, para que a gente possa avaliar a retirada da suspensão", disse o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Guilherme Leal, em entrevista ao Canal Rural.

Outros países importadores de carne suína alemã também anunciaram a suspensão: até o momento China, Japão, Coreia do Sul, Cingapura e Argentina tomaram a medida.

Nesta segunda-feira, o Ministério da Agricultura alemão informou que está negociando com os governos desses países em busca de acordos de regionalização, ou seja, limitar os embargos apenas às empresas de regiões possivelmente afetadas pela peste suína na Alemanha, em vez de suspender as compras do país inteiro. Essa foi a regra adotada pela União Europeia (UE).

O mercado interno da UE é destino de cerca de 70% das exportações de carne suína da Alemanha. Em seguida na lista de maiores importadores vem a China, com 17%, e a Coreia do Sul, com 4%.

O caso de peste suína africana foi confirmado na quinta-feira passada (10/09) no estado alemão de Brandemburgo, na fronteira com a Polônia, onde se descobriu que um javali encontrado morto estava infectado com o vírus. Trata-se do primeiro e único caso no país até o momento.

A China foi um dos primeiros países a anunciar a suspensão das importações, no fim de semana. A nação é a maior consumidora de carne suína do mundo e, como ela própria está tendo que combater um amplo surto de peste suína desde o fim de 2018, o governo tem adotado medidas rigorosas.

A doença não é perigosa para seres humanos, mas é fatal para os suínos. Em 2019, mais de 100 milhões de animais morreram ou tiveram que ser abatidos no país asiático.

EK/dpa/dw/ots

Leia mais