Brasil segue abaixo da média da OCDE em ranking de educação | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Educação

Brasil segue abaixo da média da OCDE em ranking de educação

Pisa aponta que país melhorou nas categorias leitura, matemática e ciências em relação a 2015, mas segue nas últimas posições. Exame foi feito com 600 mil alunos de até 15 anos de 79 países e regiões.

Alunos em sala de aula

No Brasil, 11 mil alunos participaram do Pisa

Divulgado nesta terça-feira (03/12), o relatório Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, na sigla em inglês) referente a 2018 aponta que o Brasil melhorou nos quesitos leitura, matemática e ciências em relação à edição anterior, de 2015, mas segue entre os mais mal colocados e abaixo da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O Pisa avalia o desempenho escolar de crianças e adolescentes de até 15 anos de idade em 79 países ou regiões. Os 600 mil alunos que fizeram a prova para esta edição representam um universo de 32 milhões de estudantes. No Brasil, 11 mil alunos participaram.

Entre 2015 e 2018, o Brasil melhorou seis pontos em leitura, sete pontos em matemática e três pontos em ciências. No entanto, segue na 57ª posição em leitura, na 70ª em matemática e na 66ª em ciência entre os países e regiões avaliados.

Em 2018, a pontuação média em leitura nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne 36 países considerados desenvolvidos, foi de 487 pontos. Em matemática e ciências foi de 489 pontos. 

O Brasil ficou com 413 pontos em leitura, 384 em matemática e 404 em ciências. A China, que lidera em todas as categorias, obteve 555 pontos em leitura, 591 em matemática e 590 em ciências.

Infografik PISA 2018 Lesekompetenz PT

Em relação aos países vizinhos, no quesito leitura, o Brasil está atrás do Uruguai (427 pontos) e à frente da Argentina (402) e da Colômbia (412). O país sul-americano mais bem colocado é o Chile (452).

Em matemática, o Brasil ficou à frente da Argentina (379) e atrás da Colômbia (391). Uruguai (418) e Chile (417) têm os melhores desempenhos entre os sul-americanos.

Em ciências, novamente Chile (444) e Uruguai (426) lideram na América do Sul, com o Brasil empatado com Argentina e Peru (404), duas posições atrás da Colômbia.

Segundo o Pisa, apenas 2% dos estudantes brasileiros obtiveram as notas máximas em ao menos um dos três quesitos avaliados (nos países da OCDE, a média é de 16%), e 43% dos estudantes ficaram com desempenho abaixo do nível mínimo de proficiência esperado em todos os três quesitos (na OCDE, a média foi de 13%).

Topo do ranking

Líder geral na avaliação, a China, representada pelas regiões de Pequim, Xangai, Jiangsu e Zhejiang, é seguida de perto por outros vizinhos orientais. Em matemática, por exemplo, Cingapura, Macau, Hong Kong, Taipei (Taiwan), Japão e Coreia do Sul compõem, junto com os chineses, os sete primeiros colocados. Estônia, Holanda e Polônia completam as dez primeiras posições.

No quesito leitura, os mais bem colocados são China (Pequim, Xangai, Jiangsu e Zhejiang), Cingapura, Macau, Hong Kong e Estônia. Completam o ranking dos dez melhores Canadá, Finlândia, Irlanda, Coreia do Sul e Polônia.

Já em ciências, China (Pequim, Xangai, Jiangsu e Zhejiang), Cingapura, Macau, Estônia e Japão são os cinco primeiros, seguidos de Finlândia, Coreia do Sul, Canadá, Hong Kong e Taipei.

Maior economia da Europa, a Alemanha está acima da média dos países que compõem a OCDE, em resultados que podem ser comparados aos dos países que compõem a parte de cima do ranking, como Austrália, França, Irlanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Grã-Bretanha e EUA.

O nível educacional geral no país, porém, não melhorou em relação ao Pisa de 2015. O índice de leitura, por exemplo, caiu, nesta edição, para o nível de 2009 (498 pontos). A pontuação média em matemática e ciências retornou aos níveis de 2012 (500) e 2006 (503), respectivamente.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais