Brasil registra mais de 50 mil novos casos e 1.060 mortes por covid-19 | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil registra mais de 50 mil novos casos e 1.060 mortes por covid-19

Total de infecções chega a 3.275.520, e o de óbitos sobe para 106.523, segundo balanço oficial. País está prestes a completar três meses sem ministro da Saúde.

Funcionário de escola mede temperatura de aluno em Brasília

Distrito Federal já registrou mais de 100 mil casos de coronavírus

O Brasil registrou mais 50.644 casos confirmados de covid-19 e 1.060 mortes em 24 horas, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde divulgados nesta sexta-feira (14/08). O balanço eleva o total de infecções para 3.275.520 e o total de óbitos para 106.523.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

Ao todo, 2.384.302 pacientes se recuperaram da doença, e 784.695 estão em acompanhamento, segundo o Ministério da Saúde. O Conass não informa número de recuperados.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 686.122 casos e 26.613 mortes. O número de infectados no território paulista supera os registrados na maioria dos países, sendo menor apenas do que o contabilizado nos Estados Unidos (5,2 milhões), Índia (2,4 milhões) e Rússia (910 mil).

A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 210.993, e o sexto em número de mortos, com 4.271 vítimas. Já o Ceará tem 196.144 infecções e 8.123 óbitos, o que o coloca atrás do Rio de Janeiro (com 189.891 infecções e 14.507 óbitos) como o terceiro estado com mais mortes.

Além de São Paulo, Bahia, Ceará e Rio de Janeiro e do Distrito Federal, outros sete estados ultrapassaram a marca de 100 mil casos da doença. São eles: Pará, Minas Gerais, Maranhão, Santa Catarina, Amazonas, Pernambuco e Paraná.

O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de óbitos e casos de covid-19 oficialmente notificados. Só está atrás dos Estados Unidos, que registraram mais de 5,2 milhões de casos e mais de 168 mil mortes.

Já a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes chegou a 50,7. Nações europeias duramente atingidas pela doença, como o Reino Unido (70,37) e a Bélgica (86,81), ainda aparecem bem à frente, mas esses países começaram a registrar seus primeiros casos entre três e quatros semanas antes do Brasil, e o número de óbitos diários caiu nos últimos meses.

O Brasil já está prestes a completar três meses sem um ministro da Saúde. O posto vem sendo ocupado interinamente desde 15 de maio pelo general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área e indicou militares para quase todos os postos-chave do ministério. Na sua gestão, as mortes e novas notificações de casos dispararam no país. Foram mais de 90 mil novos óbitos registrados desde que a pasta passou a ser gerida por Pazuello e dezenas de militares.

Na prática, o ministério, sob os militares, vem referendando sem questionamentos as diretrizes do presidente Jair Bolsonaro, que é contra medidas amplas de isolamento social e que promove a cloroquina como "cura" contra a covid-19, mesmo sem embasamento científico. 

Sob a intervenção pessoal de Bolsonaro e do Exército, o ministério também tentou esconder os números da pandemia no início de junho, mas voltou atrás após ordem do Supremo Tribunal Federal.

Ao todo, mais de 761 mil pessoas morreram em decorrência do vírus no planeta. Depois de EUA e Brasil, os maiores números absolutos de mortes se concentram no México (55,2 mil), na Índia (48 mil), e no Reino Unido (46,7 mil).

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Facebook Messenger | Twitter
YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais