Brasil registra 987 mortes por covid-19 em 24 horas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil registra 987 mortes por covid-19 em 24 horas

Mais 36.820 casos da doença foram notificados, elevando total para 4.419.083. Presidente da Câmara testa positivo e Pazuello é efetivado no Ministério da Saúde.

Dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgados nesta quarta-feira  (16/09) apontam que mais 987 mortes por covid-19 foram notificadas no Brasil nas últimas 24 horas.

Com isso, o total de óbitos pela doença oficialmente identificados chegou a 134.106, segundo atualização publicada às 18h (horário de Brasília).

O Brasil ainda registrou oficialmente mais 36.820 casos, elevando o total para 4.419.083.

Diversas autoridades e instituições de saúde em todo o país, no entanto, alertam que os números reais da doença devem ser maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

Um dos casos de covid-19 notificados nesta quarta-feira foi o do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Segundo a Câmara, Maia "manifestou sintomas brandos da doença e está se tratando na residência oficial, onde seguirá em isolamento, respeitando as recomendações médicas”.

Com o anúncio, Maia se juntou à lista de chefes dos Poderes no Brasil que já foram infectados. Antes dele, o presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e o presidente do Senado, David Alcolumbre, já haviam sido contaminados pelo coronavírus.

O Conass não informou o número de recuperados no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados nesta quarta-feira, 3.720.312 já se recuperaram.

A divulgação dos novos dados ocorre no mesmo dia em que o general Eduardo Pazuello foi efetivado oficialmente como ministro da Saúde, após ocupar o cargo interinamente por quatro meses. Durante a gestão interina, o país registrou mais de 117 mil mortes por covid-19 e 4,1 milhões de novos casos.

O Brasil é o terceiro país do mundo com maior número de casos de covid-19 oficialmente notificados. Só está atrás dos Estados Unidos e da Índia.

Já a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes chegou a 63,8 no Brasil. Em número total de óbitos, o país ocupa a segunda posição no mundo – atrás apenas dos EUA, que acumulam mais de 196 mil mortes.

Já no cálculo levando em conta a população, o Brasil aparece em nono lugar – bem à frente de países vizinhos, como a Argentina (26,64) e o Uruguai (1,3). Nos últimos dias, o Brasil ultrapassou o Reino Unido – o país europeu com maior número de mortes – e tem intercalado de posição com a Espanha, que ocupa o oitavo lugar.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 909.428 casos e 33.253 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados em praticamente todos os países do mundo, exceto Estados Unidos (6,59 milhões), Índia (5 milhões) e Rússia (1 milhão).

A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 287.685, seguida de Minas Gerais (258.595), Rio de Janeiro (246.182), Ceará (230.406) e Pará (217.500).

Já em número de mortos, o Rio é o segundo estado com mais vítimas, somando 17.342 óbitos.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, dos EUA, mais de 937 mil pessoas já morreram de covid-19 no mundo. O número de casos identificados chega a 29,6 milhões em todo o planeta.

JPS/ots