Brasil quer ter maior atuação nos esforços de paz no Oriente Médio | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.10.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil quer ter maior atuação nos esforços de paz no Oriente Médio

Peso econômico e relações amigáveis com as nações da região colocam o Brasil em posição única nas negociações de paz, argumenta ministro Antonio Patriota durante visita a Israel.

O ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, disse durante um encontro com o presidente de Israel, Shimon Peres, que o Brasil poderia ter um papel maior nos esforços de paz no Oriente Médio.

Essa maior participação se justifica pela importância econômica do Brasil e pelo fato de o país manter "relações amigáveis com todos os membros das Nações Unidas" e não ter inimigos, argumentou o diplomata.

"Talvez estejamos numa posição única para ouvir todos os lados e participar dos esforços de paz", declarou Patriota no encontro com Peres neste domingo (14/10), em Jerusalém, segundo as agências de notícias internacionais.

"Não" a Ahmadinejad

Já o israelense disse ao brasileiro que o Brasil não deveria dialogar com o presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad. "Esperamos que o Brasil boicote futuros encontros com Ahmadinejad", afirmou Peres em comunicado divulgado após a reunião.

Em 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontrou com Ahmadinejad e ajudou a intermediar um acordo sobre o programa nuclear iraniano.

"Quando nos encontramos em 2010, disse ao antigo presidente Lula que era um erro dialogar com Ahmadinejad, um líder que ameaça destruir um povo, que nega o Holocausto e que financia o terrorismo internacional", disse Peres a Patriota.

Patriota teria dito a Peres que participou da reunião com Ahmadinejad em Teerã e que Lula deixou claro que o Brasil se opõe à negação do Holocausto e acredita plenamente na paz e num Oriente Médio sem armas nucleares.

Israel, e grande parte da comunidade internacional, afirma que o programa nuclear do Irã tem o objetivo secreto de construir a bomba atômica, acusação que o governo em Teerã nega.

Patriota se reuniu também com o ministro do Exterior de Israel, Avigdor Lieberman [foto principal]. De Israel ele viajará a Ramallah, na Cisjordânia, para se reunir com autoridades palestinas nesta segunda-feira. Esta é a primeira visita de um diplomata brasileiro aos territórios palestinos desde que o Brasil reconheceu a Palestina como Estado, em dezembro de 2010.

AFN/lusa/afp/abr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais