Brasil quer antecipar retorno ao Conselho de Segurança da ONU | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 29.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Brasil quer antecipar retorno ao Conselho de Segurança da ONU

Governo anuncia que vai se candidatar a um assento rotativo no órgão das Nações Unidas em 2022, onze anos antes do previsto. Decisão é resultado de um acordo com o governo de Honduras, que cedeu seu lugar ao Brasil.

Conselho de Segurança da ONU

O Conselho de Segurança da ONU é formado por cinco vagas permanentes e dez rotativas

O Brasil pode antecipar em mais de uma década seu retorno ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. O governo federal anunciou nesta quarta-feira (28/03) que vai se candidatar a um assento rotativo para o biênio 2022-2023, na vaga destinada aos países da América Latina e do Caribe.

Segundo informou o Ministério das Relações Exteriores em nota, a decisão é resultado de um acordo alcançado com o governo de Honduras, que iria se candidatar para o biênio 2022-2023, mas cedeu seu lugar ao Brasil. Caso contrário, o país só voltaria ao órgão da ONU em 2033.

"O Brasil antecipou seu pleito do biênio 2033-2034 para 2022-2023, recuperando atraso produzido na apresentação da candidatura durante governos anteriores", afirma o Itamaraty. "O acordo [com Honduras] permitirá, caso o Brasil seja eleito, antecipar em 11 anos o seu retorno ao órgão."

A nota acrescenta ainda que "a participação brasileira no Conselho de Segurança das Nações Unidas no biênio 2022-2023 permitirá ao país, no bicentenário de sua independência, contribuir diretamente para as principais decisões sobre a paz e a segurança internacionais".

"A candidatura reflete o compromisso do país com o sistema político multilateral e o envolvimento construtivo nos processos decisórios sobre paz e segurança, movido pelo ideal de um mundo pacífico, justo e próspero para todos, em linha com os princípios constitucionais que regem a política externa brasileira", afirma o ministério.

A última participação do Brasil no Conselho de Segurança da ONU ocorreu no biênio 2010-2011. Em dezembro de 2011, o então governo de Dilma Rousseff decidiu não apresentar uma nova candidatura ao órgão, voltando a se candidatar somente em 2015.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, citando uma nota do Itamaraty do ano passado, a única vaga disponível àquela altura correspondia ao biênio 2033-2034 – ou seja, deixaria o Brasil fora do órgão durante 22 anos.

O Conselho de Segurança possui cinco assentos permanentes, ocupados por China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia. As outras dez vagas são rotativas e divididas entre regiões, que precisam chegar a um acordo e apresentar seus candidatos para uma gestão de dois anos.

Os assentos não permanentes são assim distribuídos: cinco vagas para África e Ásia, duas para Europa Ocidental, duas para América Latina e Caribe e uma para o Leste Europeu.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores brasileiro, o Brasil é o país em desenvolvimento que mais vezes integrou o Conselho, tendo sido eleito para dez mandatos desde 1946.

Também nesta quarta-feira, o ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, defendeu a candidatura da Alemanha para o biênio 2019-2020, ressaltando que o país é o segundo maior doador das Nações Unidas e quer assumir mais responsabilidades. Esta seria a sexta vez que a Alemanha integraria o Conselho. A última foi em 2011-2012.

EK/efe/lusa/rtr/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais