Brasil está longe de enfrentar crise da dívida, garante Banco Central | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil está longe de enfrentar crise da dívida, garante Banco Central

Maior inimigo atual de economias como a dos Estados Unidos e dos países da UE, o déficit público não ameaça o Brasil. Para Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, país se diferencia por política fiscal sólida.

default

Política fiscal brasileira seria grande diferencial, comenta Banco Central

Quatro anos depois dos primeiros indícios da crise financeira internacional, o Brasil se encontra numa posição mais robusta e confortável, apesar de toda a instabilidade que ronda os países mais ricos. É o que garante Alexandre Tombini, presidente do Banco Central: "A situação fiscal é uma área importante, que hoje diferencia o Brasil de outros países quando se vê toda essa volatilidade e esse tumulto no mercado financeiro global. E, com certeza, a economia brasileira tem uma posição fiscal muito sólida", afirmou Tombini em conversa com a imprensa de fora do país nesta quinta-feira (18/08).

A prova dessa força, segundo ele, são os resultados alcançados até agora: depois de cortar 50 bilhões de reais do orçamento de 2011, o país registrou no primeiro semestre um superávit primário de 78 bilhões no setor público, ou seja, a economia feita pelo governo central, estados, municípios e empresas estatais para o pagamento de juros da dívida.

Tombini considera esse contexto "muito forte", e uma indicação de que o Brasil segue a linha do que precisa ser alcançado até o fim do ano. O valor do primeiro semestre equivale a 3,99% do Produto Interno Bruto (PIB), e a meta para o ano é de aproximadamente 3%.

A crise da dívida pública é o maior inimigo atual de potências como os Estados Unidos e países da Europa. Mas esse mal não deve chegar a terreno brasileiro, acredita o presidente do Banco Central. "Em 2007, quando a crise internacional começou, a dívida pública brasileira era de 45,5% do PIB. Hoje ela é de 39,7% (aproximadamente R$1,5 trilhão) e essa taxa está caindo", compara.

Briga à brasileira

A luta no Brasil é contra a inflação e em todo o mundo essa batalha é comentada. Ao mesmo tempo em que a previsão do crescimento do PIB para este ano é de 4%, o da inflação é de 6,4%, bem acima da meta do governo de 4,5%.

"A inflação está subindo basicamente em todos os países, especialmente nos mercados emergentes. Mas estamos muitos ativos nesta luta e implementamos uma política bem específica para controlar a inflação e trazê-la ao nível planejado. E achamos que estamos caminhando positivamente nesse sentido", respondeu Tombini à Deutsche Welle, acrescentando que reconhece que ainda há muito trabalho e o sinal de alerta continua ligado.

A política aplicada pelo governo incluiu o aperto das condições do mercado de crédito. O pacote de medidas, acredita o governo, deve começar a surtir efeito em breve: para o período entre setembro e abril de 2012 é aguardada uma queda de 2% da taxa de inflação.

Terreno seguro

Desde o agravamento da crise, em setembro de 2008, as chamadas economias maduras não dão sinal de melhora. Segundo um estudo recente de Carmen Reinhart & Kenneth Rogoff, economistas norte-americanos, os países da OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) apresentam, em média, um crescimento de 130% na dívida soberana. Para agravar a situação, os mercados vêm testando, já há algum tempo, a capacidade desses países de gerir suas finanças públicas.

O Brasil se considera preparado para enfrentar esse cenário complexo. Como grande defesa, o país classifica o câmbio flutuante como uma arma: num momento mais difícil da crise financeira internacional, o câmbio é a primeira linha de ajuste. Outro ponto favorável seriam as reservas internacionais, que chegaram a 350 bilhões de dólares – 150 bilhões a mais que em 2008.

Quanto à valorização do real frente ao dólar, Tombini, que comanda a instituição responsável por assegurar a estabilidade financeira no Brasil, diz que medidas para moderar a entrada de capital no país estão em discussão. Por outro lado, ao que tudo indica, a atratividade brasileira para os investidores internacionais deve continuar em alta com tantos abalos vistos atualmente nas economias tradicionais.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais