″Brasil errou ao não negociar vacinas no momento adequado″ | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 22.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Brasil errou ao não negociar vacinas no momento adequado"

[Vídeo] A pesquisadora Margareth Dalcolmo, da Fundação Oswaldo Cruz, aponta que o Brasil vive o pior momento da epidemia de covid-19 e que o país está pagando o preço por não ter havido uma coordenação central para enfrentar a doença. "Teremos o março mais triste de nossas vidas, e abril será também muito grave. Temos que vacinar muita gente e rapidamente", afirma em entrevista à DW.

Assistir ao vídeo 06:02

A pesquisadora Margareth Dalcolmo, da Fundação Oswaldo Cruz, afirmou em entrevista à DW que o Brasil passa pelo pior momento da epidemia de covid-19, com uma taxa de transmissão muito alta e curvas de mortalidade em ascensão. "Eu temo verdadeiramente, eu declarei isso há algumas semanas, que teríamos o mês de março mais triste de nossas vidas, o que é verdade. Estamos tendo. Eu acho que o mês de abril será, igualmente, muito grave", afirmou na entrevista à DW Latinoamerica.

Ela afirmou ainda que muitas das principais cidades brasileiras vivem um colapso e que as novas variantes do vírus são as responsáveis pela maioria dos casos de infecção atuais. "Portanto, houve um erro de não ter negociado, no momento adequado, com as grandes produtoras de vacinas. O que acontece agora é que estamos tentando conseguir as vacinas porque o momento crucial é justamente esse. Temos que vacinar muita gente e rapidamente", frisou.

Ela fez também um apelo aos brasileiros. "É necessário não só que as medidas sanitárias necessárias sejam tomadas pelas autoridades, mas que a sociedade civil se conscientize de que o que estamos dizendo e recomendando é o mais adequado e correto para o controle epidêmico", disse.