Brasil enfrenta falta de Coronavac para segunda dose | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil enfrenta falta de Coronavac para segunda dose

Em cidades de ao menos 18 estados, faltam doses para complementar imunização com a vacina do Butantan. Um problema de organização e que pode ter efeito sobre a proteção contra a covid-19.

Contêiner trazendo doses de vacinas é retirado de avião em aeroporto em Guarulhos

Vacina Coronavac, produzida pelo Butantan, é a mais usada no Brasil

Até o início desta segunda-feira (03/05), a aplicação da segunda dose da Coronavac, vacina fundamental no programa de imunização brasileiro contra a covid-19, estava suspensa em pelo menos nove capitais e centenas de outras cidades menores, em 18 estados.

A paralisação da vacinação não é exatamente uma novidade no Brasil, já tendo ocorrido em vários estados. Mas antes o que acontecia era a interrupção da convocação de novos grupos prioritários – a aplicação da segunda dose continuava, porque estava reservada.

Agora está faltando vacina também para quem já havia recebido a primeira dose. Isso, aliado ao fato de centenas de milhares de brasileiros não terem voltado para complementar a imunização com a Coronavac, preocupa especialistas.

Segundo uma pesquisa do final de abril da Confederação Nacional de Municípios (CNM), quase um terço das cidades brasileiras ficaram sem a segunda dose da Coronavac. O problema seria mais grave na região Sul do país – ali, quase metade das prefeituras disse ter interrompido a vacinação com a segunda dose.

Na raiz da crise, segundo especialistas e a própria atual gestão do Ministério da Saúde, está uma comunicação de março da pasta de que doses não precisariam ser guardadas para aplicação em que já recebeu a primeira.  

A Coronavac é produzida pelo farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Atualmente, cerca de três em cada quatro pessoas vacinadas no Brasil receberam o imunizante.

Por que a segunda dose da Coronavac é tão importante

Duas vacinas são atualmente aplicadas no Brasil: a Coronavac e o imunizante da AstraZeneca, desenvolvido em parceria com a Universidade de Oxford e produzido no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A vacina da AstraZeneca-Oxford deve ter a segunda dose aplicada em intervalo de três meses. Mas a da Coronavac tem melhor eficiência comprovada quando a segunda dose é aplicada em um intervalo de 21 a 28 dias.

Um recente estudo realizado no Chile mostrou que a Coronavac é apenas 16% eficaz após a primeira dose.

O estudo, que analisou a eficácia da vacina entre 10,5 milhões de pessoas, descobriu que a proteção contra a forma sintomática da doença aumentou de 16% para 67% com a segunda dose. Como comparação, a vacina da AstraZeneca é 76% eficaz duas semanas após a primeira injeção.

A taxa de eficácia obtida com pessoas que levaram apenas uma aplicação é baixa, registrando 16% – isto é, de 100 pessoas que tiveram contato com o vírus depois de tomar uma dose, 84 se infectaram e apresentaram sintomas.

Os índices de eficácia para casos que demandam internação em enfermaria (35,65%) e em UTI (42,70%) são maiores, mas seguem sendo considerados de baixa proteção. No caso de mortes por covid-19, a taxa de eficácia com apenas uma dose foi de 40,23%.

A conclusão do estudo chileno foi clara: apenas uma dose da Coronavac não é suficiente para proteger contra uma infecção pelo coronavírus.

"A efetividade com uma única dose é baixa. Por isso temos que insistir em que todos tomem a segunda dose para garantir um nível de proteção adequada", afirma o diretor de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios.

Incógnita sobre atrasar demais a segunda dose

Os dados de eficácia das vacinas são baseados em protocolos, e segundo especialistas não está claro o que pode ocorrer se as pessoas forem muito além dos 28 dias previstos para a segunda dose.

Ou seja, ainda não existem dados sobre a diferença na taxa de eficácia com o atraso das doses. Existe apenas a certeza em relação à Coronavac: apenas uma dose não garante a imunização.

Segundo recomendação do Ministério da Saúde de 27 de abril, quem não tomou a segunda dose dentro do prazo de até 28 dias deve recebê-la mesmo assim.

"É improvável que intervalos aumentados entre as doses das vacinas ocasionem a redução na eficácia do esquema vacinal", diz o texto.

Especialistas dizem que atrasos devem ser evitados, porque a proteção não é assegurada até que a segunda dose seja aplicada.

No último dia 28, em entrevista coletiva, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que, mesmo que a pessoa tome a segunda dose 15, 20 ou até 30 dias após a data prevista, não há interferência no esquema vacinal.

A origem da crise

Em nota na última sexta-feira, o Butantan disse não ter "responsabilidade pelo atraso na aplicação da segunda dose da Coronavac".

"O Butantan produz e entrega a vacina contra a covid-19 ao Ministério da Saúde, responsável pelo planejamento e distribuição", disse o instituto no Twitter. "Até aqui, o Butantan fez suas entregas cumprindo o contrato que assumiu. A programação para usar o estoque da segunda dose para aplicar a primeira dose cabe aos municípios, a partir de orientações do Ministério da Saúde."

Especialistas apontam que o Ministério da Saúde não seguiu a indicação de epidemiologistas de guardar vacinas que exigem duas doses para garantir a imunização completa.

Segundo o próprio atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, as mudanças na estratégia da vacinação contra a covid-19 na gestão de seu antecessor, Eduardo Paziello, colaboraram para a atual falta de vacinas em vários estados brasileiros.

Levantamento do jornal O Globo mostrou que municípios em pelo menos 18 estados suspenderam a aplicação da segunda dose da Coronavac: Alagoas, Ceará, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Amapá, Sergipe, Rondônia, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, mais da metade das capitais do país está com falta de Coronavac, e outras sete têm disponibilidade limitadas do imunizante. 

Em fevereiro, Pazuello divulgou a orientação para que as cidades usassem todo o estoque da primeira dose, sem se preocupar com a segunda. O Ministério da Saúde voltou atrás poucos dias depois: a segunda dose deveria ser guardada. Mas apenas um mês depois, o ministério voltou a dizer que todas as vacinas armazenadas para garantir a segunda dose poderiam ser utilizadas como primeira dose.

Em 26 de abril, Queiroga disse, no Senado, que a orientação mudou e que seu ministério recomenda agora que os estados armazenem metade do estoque para a aplicação da segunda dose.

Outro problema foi a falta de insumos vindos da China, que chegou a levar à paralisação da fabricação e atrasos na entrega da Coronavac. Em 6 de maio, o estado de São Paulo espera entregar mais um milhão de doses da vacina ao governo federal. Não há estimativas oficiais de exatamente quantas doses faltam no Brasil para finalizar a imunização de quem já recebeu a primeira dose.

rpr/ek (ots)