Brasil deixou de ser país do futebol, aponta estudo | Leia as principais notícias sobre o futebol internacional | DW | 14.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Brasil deixou de ser país do futebol, aponta estudo

Segundo levantamento, apenas 60% da população brasileira dizem se interessar pelo esporte mais popular do mundo. País é apenas 13º em ranking por percentual de aficionados.

Torcedora do Brasil com mãos para o céu

Segundo estudo, interesse dos brasileiros por futebol é instável

A reputação do Brasil como o país com o maior número de fãs de futebol foi contestada em uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (12/06), segundo a qual apenas 60% dos brasileiros demonstram interesse pelo esporte mais popular do planeta.

Os Emirados Árabes Unidos lideram o ranking dos países com maior percentual de aficionados do esporte (80%), seguidos da Tailândia (78%), Chile, Portugal e Turquia (todos com 75%). O Brasil ocupa a modesta 13ª colocação.

O levantamento foi realizado pela empresa de informação, dados e medições Nielsen Sports, que estabeleceu um ranking com 30 países de acordo com a porcentagem da população que se diz interessada em futebol.

O Brasil demonstrou uma queda significativa desde 2013, quando chegou a registrar 72% de interessados. Esse percentual foi registrado um ano antes de o país sediar a Copa do Mundo, na qual acabou sendo eliminado de forma amarga na semifinal, ao perder de 7 a 1 da Alemanha.

Segundo o estudo, o interesse dos brasileiros pelo esporte é instável, e o comparecimento aos jogos varia muito, dependendo do desempenho das equipes e se elas estão em momentos decisivos das competições.

Outros fatores citados pela pesquisa que influenciam a ida dos torcedores aos estádios são os horários das partidas e as condições meteorológicas. Na última temporada, o campeonato brasileiro teve publico médio de 16.418 espectadores.

A pesquisa registra um crescimento da popularidade do futebol em países como China (de 27% em 2013 para 32% em 2017), Índia (de 30% para 45%) e Estados Unidos (de 28% para 32%). O Reino Unido, apesar de abrigar a famosa Premier League, está apenas na 17ª posição do ranking da Nielsen.

Redes sociais

Segundo o levantamento, o jogador do Real Madrid e da seleção de Portugal Cristiano Ronaldo domina as redes sociais, bem à frente de seu principal rival, o argentino Lionel Messi.

Os 570 milhões de interações nos perfis do craque português no Facebook, Twitter e Instagram nos primeiros cinco meses do ano foram bem superiores aos números de Neymar, com 294 milhões, e Messi, com 201 milhões.

O relatório avalia que as interações nas redes sociais, ao contrário do número de seguidores, são essenciais para a compreensão do valor de um perfil, demonstrando quantas pessoas interagiram com uma determinada conta e fornecendo uma ideia mais clara sobre o impacto e a influência de um grupo ou indivíduo.

O zagueiro do Real Madrid e da seleção espanhola Sergio Ramos, aparece em quarto lugar, com 158 milhões de interações, à frente do egípcio Mohamed Salah (105,3 milhões).

No que diz respeito aos seguidores nas redes sociais, Cristiano Ronaldo também lidera, com 322,8 milhões no Twitter, Instagram e Facebook, enquanto Neymar tem 194,2 milhões, e Messi, 181,9 milhões.

RC/rtr/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais