″Brasil é a experiência mais importante da minha vida″, dizia Lévi-Strauss | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 04.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Brasil é a experiência mais importante da minha vida", dizia Lévi-Strauss

Contato com os índios do Amazonas e Centro-Oeste foi ponto de partida para o francês descobrir sua vocação para etnologia e antropologia. Na década de 30, foi praticamente um dos fundadores da Universidade de São Paulo.

default

Claude Lévi-Strauss

Claude Lévi-Strauss se declarava "em dívida" com o país que visitou pela primeira vez na década de 1930 e que mudou o curso de sua existência. "O Brasil é a experiência mais importante da minha vida", declarou o intelectual francês em 2005. Afinal, foi no contato com as tribos indígenas brasileiras que o filósofo e sociólogo de formação descobriu sua vocação para a etnologia e a antropologia.

As viagens à região Centro-Oeste e à Amazônia foram decisivas. Lévi-Strauss chegara ao país em 1935, aos 27 anos de idade, juntamente com sua esposa e outros professores franceses, para assumir a cátedra de Sociologia na Universidade de São Paulo, a qual contava apenas um ano de existência.

Já em 1936, visitou os índios cadiuéu na fronteira com o Paraguai e os bororó no Mato Grosso. Três anos mais tarde, retornou à tribo bororo e conheceu os tupi-kaguahib, hoje considerados extintos. O primeiro fruto editorial desses contatos foi Família e vida social dos índios nambiquara, de 1948.

Ao vencedor, as beterrabas

Entwaldung in Brasilien

Trópicos: tristes já na década de 1930

"Eu detesto as viagens e os exploradores": assim Claude Lévi-Strauss introduz sua obra mais famosa. Tristes trópicos, de 1955, tornou-se best-seller e um clássico da antropologia moderna. Em 40 capítulos, o pesquisador apresenta suas observações sobre os ritos, mitologias, religiões e estruturas familiares dos povos indígenas. Mas também inclui observações sobre o a Índia e o Paquistão, países que visitara a serviço da Unesco. Daí resulta uma perspectiva global, com fascinantes interconexões.

Segundo Axel Honeth, professor de Filosofia da Universidade de Frankfurt, Lévi-Strauss também tentava sensibilizar o leitor ocidental para uma cultura estranha, convencido de que "sociedades arcaicas são superiores a nós, por estarem, em sua forma de pensar, em sua prática social, muito mais cientes do entrelaçamento com a natureza do que nós, nas concepções atuais de nossa sociedade".

Numa linguagem literária inovadora, entre a arte e a ciência, assim o autor francês descreve a ameaça percebida já nos anos 1930: "Hoje, a humanidade se instala na monocultura, se prepara para produzir a civilização em massa, como se se tratassem de beterrabas. E em breve estas também serão tudo o que terá no prato".

Mais parecidos do que pensamos

Lévi-Strauss foi um dos primeiros pensadores a tornar palpável, para o grande público, a forma dramática como as condições de vida se transformam na Terra, diante de nossos olhos. Tristes trópicos deixa claro como a diversidade cultural e biológica era destruída em velocidade assustadora, através de gigantescos processos cataclísmicos.

Também popular tornou-se o seu livro de 1962, O pensamento selvagem, cujo próprio título já causou furor. Segundo Honneth, ele designa uma lógica que se distingue fortemente da ocidental, por ser menos abstrata. "Ela não é ditada por princípios ditados de cima para baixo. Ao contrário, acomoda-se ao ambiente natural e o desvenda classificatoriamente. Mas com grande intimidade e conhecimento da diferenciação desse ambiente."

Por outro lado, o antropólogo também observou, nas assim chamadas "sociedades primitivas", princípios igualmente válidos para a civilização ocidental. A interdição do incesto, ou o pensamento em pares de opostos – "frio-quente", "bom-mau" – vigoram em praticamente toda sociedade do mundo. Essa constatação levou Lévi-Strauss a falar de princípios universais do raciocínio. Desse ponto de vista, os seres humanos são mais semelhantes entre si do que pensam.

Brasil dos sentidos

Claude Gustave Lévi Strauss

O antropólogo e etnólogo morreu centenário

Claude Lévi-Strauss completaria 101 anos em 28 de novembro próximo. Sua morte é lamentada no mundo inteiro. Na França, o presidente Nicolas Sarkozy prestou homenagem ao "humanista infatigável, o universitário curioso, sempre à procura de novos saberes, o homem livre de todo sectarismo e toda doutrinação".

Em declaração à agência de notícias AFP, o professor José Ribamar Freire, da Universidade do Rio de Janeiro, lembrou que o francês "foi um pesquisador muito importante para o Brasil. Ele próprio dizia que a etnologia brasileira era uma das melhores do mundo".

O antropólogo brasileiro Gilberto Velho destaca que a obra de Lévi-Strauss definiu as bases da antropologia moderna, "mas ele vai mais além desse domínio. Ele sugere que não há sociedades inferiores, e que cada uma delas deve ser pensada em seus próprios termos".

Para Beatriz Perrone-Moisés, essa morte deixa "uma espécie de vazio", apesar quase esperada, devido à idade do pensador. A professora de Antropologia da Universidade de São Paulo, onde o francês lecionou de 1935 a 1939, comentou à agência de notícias AP que o Brasil descrito em Tristes trópicos é um "mundo dos sentidos" muito especial.

"[Para Lévi-Strauss] o Brasil era menos o país em si do que o Brasil dos índios e a sensação de caminhar nas pegadas dos exploradores do século 17. Ele frequentemente falava sobre essa emoção, essa sensação."

Autor: Augusto Valente
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais