Bombardeio atinge hospital da Médicos sem Fronteiras no Iêmen | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bombardeio atinge hospital da Médicos sem Fronteiras no Iêmen

Ataque aéreo na cidade de Abs é executado pela coalizão militar liderada pela Arábia Saudita e deixa ao menos sete mortos e mais de dez feridos. Vítimas são civis.

Ataque destruiu hospital na cidade de Abs

Ataque destruiu hospital na cidade de Abs

Ao menos sete pessoas morreram e mais de dez ficaram feridas num bombardeio a um hospital da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) na cidade de Abs, no noroeste do Iêmen, nesta segunda-feira (15/08). Segundo autoridades de saúde, o ataque aéreo foi realizado pela coalizão militar liderada pela Arábia Saudita.

De acordo com o diretor de saúde pública da província de Hashah, Ayman Mazkour, todas as vítimas eram civis, a maioria pacientes. Entre elas há mulheres e crianças. "Equipes médicas ainda não conseguiram entrar no hospital", acrescentou. O bombardeio foi confirmado pela MSF.

Testemunhas afirmaram que dois terços do hospital ficaram destruídos. O bombardeio teria atingido a ala de emergência da instituição. Os aviões da coalizão árabe continuam sobrevoando a região.

O bombardeio ocorreu menos de 48 horas depois de a MSF ter acusado a coalizão árabe de matar dez crianças num ataque aéreo a uma escola religiosa na província de Saada, no norte do país, no sábado. A Arábia Saudita negou o incidente e alegou que bombardeou um campo de treinamento de rebeldes houthis.

O ataque desta terça-feira não é o primeiro a atingir um centro médico administrado pela MSF no país. Em diversas ocasiões, a organização denunciou os bombardeiros da coalizão árabe. No mais recente incidente, no início de janeiro, quatro pessoas morreram após um projétil cair num hospital do grupo na província de Saada. A aliança militar, porém, nega os ataques.

Desde março de 2015, a coalizão árabe, com o apoio do presidente iemenita, Abd Rabbuh Mansur al-Hadi, bombardeia os rebeldes houthis e seus aliados no país. O Iêmen está em guerra desde que militantes houthis assumiram o controle sobre a capital, Sanaa, em setembro de 2014.

CN/efe/afp/dpa/rtr

Leia mais