Bolsonaro se engana e critica Noruega com vídeo dinamarquês | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Bolsonaro se engana e critica Noruega com vídeo dinamarquês

Após Oslo suspender repasses devido ao crescente desmatamento na Amazônia, presidente ataca país nórdico por tradição de caça às baleias, mas divulga imagens de evento nas Ilhas Faroé, dependentes da Dinamarca.

Presidente Jair Bolsonaro

Em meio ao aumento do desmatamento, Bolsonaro tem sido alvo de críticas internacionais por sua política ambiental

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a Noruega, que anunciou na semana passada a suspensão de repasses ao Fundo Amazônia. O mandatário, cujas políticas ambientais têm sido alvo de críticas internacionais, publicou um vídeo em rede social para criticar a tradição norueguesa de caça às baleias, mas as imagens, na verdade, foram gravadas em ilha dinamarquesa.

Elas mostram caçadores encurralando um grupo de cetáceos para uma praia, matando-os logo depois com arpões, deixando a água do mar tingida de vermelho. A sequência é identificada no vídeo como tendo ocorrido em maio deste ano na Noruega.

No texto que acompanha a postagem, feita no domingo (18/08), Bolsonaro diz que em torno de 40% dos recursos do Fundo Amazônia são direcionados a ONGs, "refúgio de muitos ambientalistas", segundo ele. "Veja a matança das baleias patrocinada pela Noruega", escreveu.

O vídeo analisado pela Agência Lupa, feito por agências internacionais, foi gravado nas llhas Faroé, arquipélago no Atlântico Norte dependente da Dinamarca, onde anualmente é realizado um festival de caça às baleias chamado Grindadráp, promovido pela comunidade local.

Vídeos semelhantes ao compartilhado pelo presidente podem ser encontrados no Youtube, mas alguns também erram ao dizer que as Ilhas Faroé estão localizadas na Noruega.

O ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen, anunciou na quinta-feira a suspensão do repasse de 300 milhões de coroas norueguesas (133 milhões de reais) que seriam destinados ao Fundo Amazônia, o programa de financiamento à proteção da maior floresta tropical do mundo.

A Noruega é a maior doadora do fundo, tendo repassado 3,1 bilhões de reais para a iniciativa nos últimos 10 anos, enquanto a Alemanha doou cerca de 200 milhões de reais.

Bolsonaro reagiu ao anúncio criticando o país nórdico e lançando mais um ataque à Alemanha. "A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a oferecer para nós. Pega a grana e ajuda a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha", disse ele, mencionando a chanceler federal alemã.

Antes da Noruega, o Ministério alemão do Meio Ambiente já havia anunciado a suspensão de 35 milhões de euros (cerca de 155 milhões de reais) para o financiamento de projetos para a proteção da floresta e da biodiversidade no Brasil, por causa do crescimento acentuado das taxas de desmatamento na Amazônia.

Bolsonaro reagiu com sarcasmo similar à suspensão das verbas: "Eu queria até mandar recado para a senhora querida Angela Merkel. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, tá ok? Lá tá precisando muito mais do que aqui."

No início de agosto, dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) confirmaram o aumento significativo do
desflorestamento na Amazônia. Em julho deste ano, a devastação do bioma cresceu 278% em relação ao mesmo mês de 2018.

MD/dpa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais