Bolsonaro recusa pacto com Haddad contra notícias falsas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

Bolsonaro recusa pacto com Haddad contra notícias falsas

Presidenciável do PSL se nega a assinar carta de compromisso para combater a divulgação de informações falsas nas redes sociais antes do segundo turno e chama adversário petista de "canalha".

Jair Bolsonaro

Bolsonaro acusou Haddad de propagar notícias falsas sobre suas propostas para o Imposto de Renda

O ex-capitão Jair Bolsonaro (PSL) recusou nesta segunda-feira (08/10) a proposta do adversário Fernando Haddad (PT) para que ambos os candidatos à Presidência unissem esforços para combater a disseminação de notícias faltas nas redes sociais.

O petista propôs que ambos assinassem um protocolo ético com relação ao tipo de abordagem empregada nas campanhas para o segundo turno das eleições.

Quer receber as notícias da DW no Whatsapp? Clique aqui

"Vamos fazer esse esforço para que eles assinem uma carta de compromisso contra a calúnia e a difamação anônima, que aconteceu nas redes sociais, sobretudo no Whatsapp", disse Haddad, pedindo uma campanha limpa, sem mentiras e ataques anônimos ao adversário.

Em seu perfil no Twitter, Bolsonaro se recusou a firmar qualquer tipo de acordo. "Meu compromisso é com a minha pátria, não com corruptos na cadeia", disse, referindo-se ao fato de Haddad ter substituído o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba e impedido de concorrer à Presidência devido à Lei da Ficha Limpa.

Bolsonaro classificou o rival de "canalha" e "pau mandado de corrupto". Ele acusou o próprio Haddad de divulgar notícias falsas ao dizer em sua campanha que o candidato do PSL defende aumentar o Imposto de Renda dos mais pobres. "Desde o início propomos isenção a quem ganha até R$ 5.000. O PT quer roubar até essa proposta."

O filho do ex-capitão, Eduardo Bolsonaro, ecoou os comentários do pai, afirmando que um pacto não seria necessário, "basta ter caráter".

Em meados de setembro, o economista Paulo Guedes, anunciado por Bolsonaro como seu futuro Ministro da Fazenda, afirmou que pretende recriar um imposto nos moldes da CPMF e que estabeleceria uma alíquota única de Imposto de Renda (IR) de 20% para pessoas físicas e jurídicas. Atualmente, a alíquota é proporcional à renda tributável. Na sequência, Bolsonaro negou as propostas, defendendo que sua equipe descarta o aumento do IR e recriar a CPMF.

Já Haddad propõe em seu plano de governo a isenção de IR para quem ganha até cinco salários mínimos e afirma que os mais ricos devem pagar mais que os mais pobres.

O petista anunciou nesta segunda-feira que faria o convite ao adversário para assinar uma carta de compromisso. Durante coletiva de imprensa, também pediu mais agilidade da Justiça Eleitoral para coibir a divulgação de notícias falsas.

"Fica o apelo para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seja mais rápido em tirar do ar [as notícias falsas] , como aconteceu apenas no final da campanha do primeiro turno", disse. Segundo o petista, sua campanha teria conseguido tirar do ar no dia anterior 35 matérias falsas sobre Haddad e sua candidata a vice-presidente, Manuela d'Ávila (PcdoB).

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Links externos