Bolsonaro quer indicar filho como embaixador nos EUA | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Bolsonaro quer indicar filho como embaixador nos EUA

Presidente confirmou convite ao deputado Eduardo Bolsonaro para que ele assuma representação em Washington. "A decisão é dele", disse.

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (11/07) que deseja nomear seu filho Eduardo Bolsonaro como embaixador do Brasil nos Estados Unidos. O presidente disse que a nomeação só depende do próprio filho, que é deputado federal. 

"Da minha parte, eu me decidi agora, mas não é fácil uma decisão como esta estando no lugar dele e renunciando ao mandato", disse o presidente a jornalistas. "Apesar de ser meu filho, ele tem de decidir", acrescentou. 

O presidente afirmou que levou em conta o fato de Eduardo ser seu filho, o que, segundo ele, possibilitaria um tratamento "diferente de um embaixador normal" e que o deputado é "amigo dos filhos do Trump", em referência ao presidente dos EUA, além de saber falar inglês.

"É uma coisa que está no meu radar, sim, existe essa possibilidade. Ele [Eduardo] é amigo dos filhos do Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo. No meu entender, poderia ser uma pessoa adequada e daria conta do recado perfeitamente em Washington", disse.

"Eu fiquei pensando: imagine se tivesse no Brasil o filho do presidente Mauricio Macri como embaixador da Argentina? Obviamente que o tratamento seria diferente de um embaixador normal", completou.

Ao jornal Folha de S.Paulo, o deputado Eduardo Bolsonaro disse que ainda não há nada definido. "A missão que o presidente Bolsonaro der para mim certamente vou desempenhar da melhor maneira. Não tem nada formal, nada oficial. O presidente falou, está falado, mas não chegou nada oficial", disse.

Na quarta-feira, Eduardo completou 35 anos, a idade mínima para assumir um posto como embaixador. Além de receber uma indicação do presidente, candidatos ao posto de embaixador precisam que o Senado ratifique o nome. 

Um pouco mais tarde, para um grupo de jornalistas, Eduardo disse que quer conversar com o chanceler Ernesto Araújo e seu pai, além da sua esposa sobre o convite antes de aceitar a indicação. "Estou no radar, então há essa possibilidade", disse. "Fico imaginando o povo americano vendo o presidente do Brasil enviando seu filho. Acredito que a nomeação de alguém tão próximo ao presidente seria visto com bons olhos pelo lado americano", disse.

Eduardo ainda tentou minimizar a possibilidade de a indicação ser enquadrada como nepotismo e vir a ser barrada pela Justiça. "Acho que não se enquadraria nisso. Seria uma indicação como a de um ministro. Críticas sempre vão existir", completou. Ele também disse que o fato de ter completado 35 anos um dia antes de o convite ser divulgado foi uma "coincidência". O cargo de embaixador do Brasil em Washington está vago desde abril, quando o chanceler Araújo removeu Sérgio Amaral do posto. 

Deputado federal em segundo mandato, Eduardo, que é chamado de "03" pelo pai, é escrivão concursado da Polícia Federal. Não possui nenhuma formação na área internacional, mas é membro da Comissão de Defesa e Relações Exteriores da Câmara e exerce influência sobre a política externa do governo pai, além de acompanhar o presidente em viagens internacionais, tal como ocorreu no Fórum Econômico de Davos e na cúpula do G20. 

Ele é também próximo do ideólogo Olavo de Carvalho e foi um dos responsáveis pela indicação de Ernesto Araújo para a chefia do Itamaraty e de Filipe G. Martins para o cargo de assessor de Assuntos Internacionais da Presidência. Várias reportagens da imprensa brasileira também apontaram que Eduardo vem exercendo um papel de chanceler informal na política externa do país e influenciando o recente alinhamento diplomático do Brasil junto aos EUA.

Na coletiva de imprensa sobre o convite, Eduardo ainda foi questionado se pode vir a chamar Olavo de Carvalho, que vive nos EUA, para trabalhar na embaixada, caso aceite o convite do seu pai.  "Boa pergunta. O Olavo certamente serve como conselheiro. Independente de estar dentro ou fora da embaixada. Ele mora ali na Virgínia, ao lado de Washington. Quem sabe, se futuramente vir a se concretizar o que hoje é uma possibilidade, a gente venha a fazer alguns churrascos e dar uns tiros no quintal dele", concluiu Eduardo.

JPS/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais