Bolsonaro insinua conflito militar com os EUA pela Amazônia | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Bolsonaro insinua conflito militar com os EUA pela Amazônia

Em evento para promover turismo, presidente dá a entender que poderia recorrer à força caso os EUA sob Biden imponham sanções por causa do desmatamento desenfreado. "Quando acabar a saliva, tem que ter pólvora", diz.

Jair Bolsonaro, Edson Leal Pujol

Bolsonaro torcia abertamente pela vitória de Trump nas eleições americanas e até agora não reconheceu Biden como vencedor

Após encarar a morte de um voluntário da vacina Coronavac como uma vitória política e falar que o Brasil "tem que deixar de ser um país de maricas", o presidente Jair Bolsonaro chegou ao fim desta terça-feira (10/11) insinuando que pode ter que recorrer à força militar para driblar eventuais sanções econômicas impostas pelo futuro governo Joe Biden em resposta ao desmatamento desenfreado da Amazônia.

"O Brasil é um país riquíssimo. Assistimos há pouco a um grande candidato à chefia de Estado [Biden] dizer que se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele levanta barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que nós podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá, né, Ernesto?", afirmou, dirigindo-se ao seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

"Porque quando acabar a saliva, tem que ter pólvora, senão não funciona. Precisa nem usar a pólvora, mas precisa saber que tem", disse Bolsonaro, durante um evento em Brasília para promover a retomada do turismo no país.

Bolsonaro ainda disse que é preciso "fortalecer" o Brasil, "liberando a economia, o livre mercado". "Dando liberdade para quem quer trabalhar, não enchendo o saco de quem quer trabalhar, quem quer produzir."

No fim de setembro, o então candidato Biden, durante um debate com o republicano Donald Trump, citou a questão ambiental no Brasil e disse que contemplava organizar um fundo internacional de 20 bilhões de dólares (R$ 108,4 bilhões) para ajudar o país sul-americano a proteger a Amazônia. No entanto, Biden advertiu que, se mesmo assim os brasileiros persistirem com o desmatamento, o Brasil poderá vir a sofrer consequências econômicas, sinalizando possíveis retaliações ou sanções. "Parem de destruir a floresta. E, se vocês não pararem, irão enfrentar consequências econômicas significativas", disse Biden.

À época, o governo Bolsonaro reagiu imediatamente. "O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças", escreveu Bolsonaro logo depois do debate. "Nossa soberania é inegociável", completou o mandatário, um fã declarado de Trump e que torceu abertamente pela reeleição do republicano. Até agora, Bolsonaro não reconheceu a vitória do democrata Biden nas eleições da semana passada, permanecendo um dos poucos líderes mundiais que vêm evitando fazê-lo.

Numa entrevista publicada no início de novembro, Biden voltou a mencionar a Amazônia e a possibilidade de pressionar o Brasil economicamente para garantir proteção da floresta. 

"Os incêndios que se espalharam pela Amazônia no verão passado  [inverno no hemisfério sul] foram devastadores e provocaram uma reação global, com clamor para parar com a destruição e apoiar o reflorestamento antes que seja tarde demais. O presidente Bolsonaro precisa saber que, se o Brasil falhar na sua tarefa de guardião da Floresta Amazônica, o meu governo irá congregar o mundo para garantir que o meio ambiente seja protegido", disse Biden, à revista Americas Quarterly.

O tom ameaçador usado por Bolsonaro na noite de terça-feira provocou piadas nas redes sociais, que fizeram menção à capacidade militar dos EUA.

No que parece ter sido uma coincidência irônica, o embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, publicou no Twitter, logo depois da fala de Bolsonaro, uma mensagem exaltando o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, que completa 245 anos.

A mensagem reproduz um vídeo que aponta que o corpo está "sempre de prontidão para responder de forma rápida, seja por terra, ar ou mar" e cita os destacamentos dos marines que protegem as representações diplomáticas dos EUA em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.

JPS/ots

Leia mais