Bolsonaro comemora suspensão de testes da Coronavac | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Bolsonaro comemora suspensão de testes da Coronavac

"Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", diz presidente. Para diretor do Butantan, suspensão do estudo é desnecessária e fomenta "descrédito gratuito" da vacina chinesa. Morte de voluntário não teria relação com imunizante.

Jair Bolsonaro tirando máscara

Bolsonaro nunca compartilhou qualquer entusiasmo com potenciais vacinas

O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta terça-feira (10/11) a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de suspender os estudos clínicos da vacina Coronavac, da farmacêutica chinesa Sinovac, contra o novo coronavírus.

A reação de Bolsonaro ocorreu no Facebook, em resposta a seguidores que fizeram perguntas sobre o imunizante. "Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar todos os paulistanos a tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", escreveu, referindo-se a seu desafeto João Doria, governador de São Paulo..

A Coronavac está sendo testada em dez países. No Brasil, os estudos começaram em 21 de julho, a partir de uma parceria da Sinovac com o Instituto Butantan, firmada diretamente com o governo de São Paulo e que prevê a produção da vacina no Brasil.

Sem dar detalhes, a Anvisa comunicou na segunda-feira que decidiu interromper o ensaio clínico da vacina Coronavac após a ocorrência de um "evento adverso grave" em 29 de outubro. A causa da suspensão teria sido a morte de um voluntário que participa do estudo clínico.

Butantan nega relação

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, negou que a morte tenha sido causada pela vacina. "A conclusão do relatório que está em mãos da Anvisa neste momento diz exatamente isso: o evento adverso grave foi analisado e não tem relação com a vacina", destacou durante uma coletiva de imprensa.

Segundo a TV Globo, que teve acesso ao atestado de óbito do voluntário, a causa da morte teria sido suicídio.

Covas considerou a suspensão do estudo desnecessária e afirmou que a decisão causa dor e insegurança nos voluntários que participam do estudo. "Fomentaram um ambiente que não é muito propício pelo fato de essa vacina ser feita em associação com a China. Fomentaram esse descrédito gratuito. A troco de quê?", acrescentou.

O diretor contou ainda que o instituto foi pego de surpresa com a decisão, mas evitou criticar a agência, a qual descreveu como "técnica e independente", ou considerar que a decisão tenha sido ideológica. Covas ressaltou que atribui a suspensão a "uma dificuldade de comunicação ou preocupação exagerada".

A Anvisa negou que a decisão tenha sido política e afirmou ainda desconhecer a causa da morte do voluntário, por isso, segundo a própria agência, suspendeu o estudo para garantir a segurança dos voluntários.

Apesar de a Anvisa dizer que não tem informações sobre as causas da morte, segundo o jornal Folha de S. Paulo a agência teria recebido os dados que comprovariam o suicídio do voluntário na manhã desta terça-feira, mas mesmo assim decidiu manter a suspensão dos testes. Os documentos foram enviados durante uma reunião que ocorreu com representantes da Anvisa e do Butantan.

Disputa política

A Sinovac foi uma das primeiras farmacêuticas a divulgar resultados dos estudos em estágio avançado das atuais vacinas que estão sendo testadas contra a covid-19 no mundo, colocando a China na liderança da corrida por um imunizante contra o coronavírus.

A vacina, no entanto, tem sido objeto de uma batalha política no Brasil entre um dos seus maiores apoiadores, o governador de São Paulo, João Doria, e Bolsonaro, principal adversário político do tucano.

A suspensão dos testes é a segunda polêmica envolvendo a vacina em menos de um mês. Em 20 de outubro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou um acordo firmado com o estado de São Paulo que previa a compra de 46 milhões de doses da Coronavac e a inclusão do imunizante no calendário nacional de vacinação.

No dia seguinte ao anúncio, Bolsonaro desautorizou Pazuello, também pelo Facebbok, e disse que o governo federal não compraria a vacina. "Qualquer coisa publicada, sem comprovação, vira TRAIÇÃO", reagiu Bolsonaro a um comentário de um seguidor que acusou o ministro de agir pelas costas do presidente.

Após as declarações de Bolsonaro, o Ministério da Saúde voltou atrás e disse que "não há intenção" por parte do governo federal de adquirir "vacinas chinesas". A pasta afirmou ainda que houve "uma interpretação equivocada" da fala de Pazuello sobre o imunizante, mas reconheceu a assinatura de um protocolo de intenção com o Instituto Butantan para a compra da vacina.

Dois dias depois da polêmica, a Anvisa autorizou a importação de 6 milhões de doses do imunizante a pedido do Butantan, que guardará as doses até a liberação da vacinação pela agência.

No total, o governo de São Paulo fechou contrato com a Sinovac para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac. As primeiras 6 milhões virão prontas da China. As outras 40 milhões serão envasadas e rotuladas no Instituto Butantan, a partir de material importado.

Postura de Bolsonaro na pandemia

Bolsonaro nunca compartilhou qualquer entusiasmo com potenciais vacinas. Ao longo da pandemia, ele preferiu promover "curas" sem comprovação científica, como a aplicação da hidroxicloroquina no tratamento da doença. Além de minimizar o vírus, o presidente também agiu sistematicamente para sabotar a imposição de medidas de distanciamento social no país.

Mais recentemente, ele passou a agir ativamente contra a possibilidade de uma vacinação obrigatória, contrariando uma medida assinada pelo seu próprio governo no início da pandemia.

O fato de a linha de frente da produção da vacina ter sido assumida pelo governo João Doria e envolver a China – vista como inimiga por muitos bolsonaristas, inclusive membros de sua família – adicionou ainda mais combustível à fogueira ideológica do presidente.

CN/ots

--
Se você enfrenta problemas emocionais e tem pensamentos suicidas, não deixe de procurar ajuda profissional. Você pode buscar ajuda neste site: https://www.befrienders.org/portugese

Leia mais