Bolsas europeias sobem após pacote de ajuda ao euro | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 10.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Bolsas europeias sobem após pacote de ajuda ao euro

Mercados financeiros reagem bem ao pacote de 750 bilhões de euros anunciado pela União Europeia para fortalecer a moeda comum do bloco. Bolsas de Frankfurt e Londres sobem mais de 5% após anúncio.

default

Em Frankfurt, curso do DAX foi positivo ao longo do dia

O pacote emergencial de estabilização do euro foi bem recebido pelos mercados financeiros da Europa nesta segunda-feira (10/05). O índice DAX, da Bolsa de Valores de Frankfurt, encerrou o dia com alta de 5,3%, a maior em 13 meses, e que recuperou boa parte das perdas da semana passada.

Em Londres, o índice FTSE 100 subiu 5,16%. Em Madri, a alta foi de 14,43%. O euro também se recuperou diante da moeda norte-americana, e vale 1,2969 dólar no final desta segunda-feira, depois de chegar a bater a marca de 1,30 dólar ao longo do dia.

Na madrugada desta segunda-feira, os ministros das Finanças dos países do euro acordaram um pacote de 750 bilhões de euros para garantir a estabilidade da moeda comum europeia. Desse total, 500 bilhões são garantidos pela União Europeia e 250 bilhões pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

BCE compra títulos de países europeus

O inédito anúncio de que o Banco Central Europeu (BCE) iria comprar títulos da dívida pública de países europeus também contribuiu para acalmar os mercados. O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, não revelou o montante da transação.

A legislação europeia proíbe o BCE de comprar títulos diretamente dos governos, mas não impede que o faça no mercado financeiro. Críticos afirmam que o banco cedeu a pressões políticas e que a decisão põe em xeque a credibilidade da instituição.

"O BCE está encurralado pelos políticos e comete um pecado que um banco central não deveria se permitir", apontou o economista Martin Faust, da Frankfurt Scholl of Finance & Management.

Trichet refutou acusações de que a ação afetaria a independência da instituição. Segundo ele, a decisão partiu do conselho do banco e não foi motivada por pressões externas. A legislação europeia veda aos países europeus influir no Banco Central.

Com a decisão de comprar títulos, o BCE acaba financiando, na prática, uma parte das dívidas de países europeus em dificuldades financeiras, como a Grécia.

AS/dpa/rtrd
Revisão: Augusto Valente

Leia mais