Bolsa de Frankfurt cai mais de 7% mesmo com ação do governo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 06.10.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Bolsa de Frankfurt cai mais de 7% mesmo com ação do governo

Esforço do governo alemão para salvar o banco Hypo Real Estate não impede queda do índice DAX, da Bolsa de Frankfurt. Outros países europeus seguem exemplo da Alemanha e também garantem os depósitos bancários.

default

Índice DAX em queda livre

As bolsas européias fecharam em forte queda nesta segunda-feira (06/10), apesar dos esforços de diversos governos europeus para combater a crise financeira. Em Frankfurt, o índice DAX caiu 7,07%, fechando em 5.387,01 pontos. É o menor nível desde julho de 2006.

As ações de 28 das 30 empresas listadas no DAX registraram queda. No caso do banco hipotecário Hypo Real Estate (HRE), o recuo foi de 37,42%. "A direção [do banco] perdeu toda a confiança", disse a analista Susanne Knips, do Dresdner Bank.

Em Londres, o índice FTSE 100 caiu 7,85%. Em Paris e Amsterdã, as quedas foram superiores a 9%, em Milão, a bolsa caiu mais de 8% e Bruxelas e Zurique perderam mais de 6% nesta segunda-feira.

Garantias do governo alemão

Na Alemanha, a situação do mercado bancário é avaliada como "altamente perigosa" pelo ministro das Finanças, Peer Steinbrück, mesmo após a operação deste domingo para salvar o Hypo Real Estate. Governo e bancos privados garantiram uma linha de crédito de 50 bilhões de euros ao HRE.

Para acalmar os correntistas, o governo alemão voltou a garantir todos os depósitos bancários do país. Pelo cálculos do próprio governo, a garantia engloba um valor em torno de 1 trilhão de euros.

Já a chanceler federal Angela Merkel afirmou que a crise causada por "banqueiros irresponsáveis" coloca em risco a economia social de mercado alemã. Por isso, o sistema financeiro deve ser fortemente regulamentado, defendeu.

Críticas de Londres a Berlim

A decisão alemã de garantir os depósitos bancários do país causou descontentamento no governo britânico. O primeiro-ministro Gordon Brown disse que pedirá esclarecimentos a Merkel. O temor entre os políticos britânicos é que ocorra uma transferência de dinheiro do Reino Unido para a Alemanha.

Na sexta-feira, após o governo da Irlanda anunciar que garantia todos os depósitos bancários do país, o governo britânico foi obrigado a elevar de 35 mil para 50 mil libras a garantia dada aos correntistas britânicos para evitar uma fuga de capitais para o país vizinho.

Após a decisão alemã, Dinamarca, Suécia, Islândia e Áustria também elevaram suas garantias bancárias.

Para encontrar uma solução comum para a crise financeira, os ministros das Finanças dos países da zona do euro se reúnem na noite desta segunda-feira em Luxemburgo. Segundo alguns participantes, a garantia dada pelo governo alemão será um dos temas em debate.

Numa nota conjunta divulgada no início da noite desta segunda-feira, os governos dos 27 países da União Européia (EU) reiteraram que farão o necessário para estabilizar seus sistemas financeiros.

Leia mais