Bernie Sanders confirma notícia sobre ingerência russa a seu favor | Notícias internacionais e análises | DW | 22.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

EUA

Bernie Sanders confirma notícia sobre ingerência russa a seu favor

Após revelação do jornal "The Washington Post", senador que lidera disputa democrata à presidência dos EUA declara ter sido informado pelo serviços de informação sobre suposto apoio de Moscou à sua campanha.

Senador americano Bernie Sanders discursa em comício

Senador Bernie Sanders disse que a Rússia está tentando "criar caos" e "semear o ódio nos Estados Unidos"

O pré-candidato à presidência dos EUA Bernie Sanders denunciou nesta sexta-feira (21/02) a ingerência russa na campanha para as eleições presidenciais americanas, depois de o jornal The Washington Post ter noticiado sobre um suposto apoio de Moscou à sua candidatura. 

Segundo a publicação, o senador eleito pelo estado de Vermont foi informado, juntamente com outros congressistas, pelos serviços de informação americanos, a respeito de interferências de Moscou no processo eleitoral a seu favor, mas com o objetivo real de promover a vitória do republicano Donald Trump.

Líder das pesquisas nas primárias democratas à Casa Branca, Sanders confirmou a informação do Washington Post, em nota divulgada na véspera das primárias democratas no estado de Nevada, realizadas neste sábado. "Francamente, não quero saber quem é que Putin quer como presidente. A minha mensagem para ele é clara: mantenha-se afastado das eleições americanas, o que vou garantir quando for presidente", reagiu.

"Em 2016, a Rússia utilizou a propaganda na internet para semear a divisão no nosso país, e compreendo que o queiram fazer outra vez em 2020", acrescentou o senador. 

Muitos analistas consideram que uma nomeação de Bernie Sanders como candidato presidencial dos democratas poderia ajudar Trump, porque o seu programa de esquerda seria menos suscetível de agregar os eleitores do que o de outros candidatos.

O próprio Sanders sugeriu que a Rússia pode estar por trás de contas de usuários da internet que o dizem apoiá-lo divulgando mensagens agressivas. O senador disse a jornalistas que a Rússia está tentando "criar caos" e "semear o ódio nos Estados Unidos".

As autoridades americanas acreditam que a Rússia tentou apoiar Sanders na campanha pré-eleitoral de 2016 contra sua rival Hillary Clinton, a fim de promover uma divisão na sociedade americana e, finalmente, ajudar o candidato republicano Trump. Hillary ganhou as primárias democratas e foi derrotada posteriormente por Trump nas eleições presidenciais.

Segundo a inteligência dos EUA, a Rússia manipulou a campanha eleitoral presidencial de 2016, principalmente por meio de uma campanha em mídias sociais como o Facebook.

A Comissão de Inteligência da Câmara dos Representantes foi informada nesta semana de que está em curso uma ação de interferência russa em favor da candidatura à reeleição do presidente Donald Trump. O vazamento dessa informação irritou Trump e o levou a demitir o então diretor de Inteligência Nacional Joseph Maguire, e anunciar sua substituição pelo atual embaixador dos EUA na Alemanha, Richard Grenell.

Também este mês, o diretor do FBI, Christopher Wray, ouvido na Comissão de Justiça da Câmara dos Representantes, afirmou que a Rússia está envolvida em uma "guerra de informação" para interferir nas eleições de novembro, baseada em campanhas cobertas nas redes sociais para dividir o eleitorado americano.  

MD/lusa/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais