Berlim tem protesto mais violento em cinco anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Berlim tem protesto mais violento em cinco anos

Manifestação contra desocupação de prédio na região central da capital alemã gera horas de confrontos com a polícia e termina com mais de 80 detidos e 120 policiais feridos.

Cenário de guerra após os confrontos entre polícia e manifestantes na capital alemã

Cenário de guerra após os confrontos entre polícia e manifestantes na capital alemã

Berlim viveu na madrugada de sábado para domingo (10/07) o que as autoridades descreveram como o protesto mais violento dos últimos cinco anos na cidade, com 123 policiais feridos e 86 manifestantes detidos.

A manifestação começou pacífica no fim da tarde de sábado, quando cerca de 2 mil pessoas, a maioria vestida de preto, foram às ruas contra a desocupação de um prédio no bairro de Friedrichshein.

Horas depois, centenas de manifestantes, muitos encapuzados, entraram em confronto com a polícia, atirando pedras, garrafas e fogos de artifício, e incendiando carros. Mais de 1.800 policiais foram destacados para o local, e a violência se estendeu por horas.

O número 94 da rua Rigaer

O número 94 da rua Rigaer

"Com este balanço se conclui que se tratou da manifestação mais agressiva e violenta dos últimos cinco anos em Berlim", resumiu a polícia em comunicado.

Motivo da revolta é o prédio no número 94 da rua Rigaer, ocupado desde os anos 1990 por um movimento antissistema descrito pelas autoridades alemãs como radical de esquerda. A primeira tentativa de desocupação, em junho, também terminou em violência.

Estima-se que mais de 120 prédios abandonados e vazios, muitos em ruína, foram ocupados em Berlim Oriental após a queda do Muro. Nos anos 1990, as autoridades começaram a buscar soluções administrativas para os ocupantes.

Muitos assinaram contrato de aluguel e legalizaram a situação, alguns apartamentos foram comprados por cooperativas ou fundações, outros ocupantes foram desalojados à força. O número 94 da rua Rigaer, propriedade de uma firma de investidores, é um dos últimos prédios da cidade ainda ocupados.

RPR/ots

Leia mais