Berlim retira cartaz pró-máscaras em que idosa mostra dedo do meio | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Berlim retira cartaz pró-máscaras em que idosa mostra dedo do meio

"Dedo levantado a todos sem máscara", lia-se acima da foto provocadora. Apesar das boas intenções de proteção contra o coronavírus, houve quem se ofendesse.

Cartaz de campanha de saúde em Berlim: senhora idosa de máscara mostra dedo médio, com dizeres Máscara: Nós respeitamos as regras anti-coronavírus

Criadores da campanha quiseram evocar "humor seco berlinense"

Berlim retirou de circulação nesta quinta-feira (15/10) um cartaz visando estimular o uso de máscaras protetoras, em que uma senhora idosa mostra o dedo do meio para quem se recusa a acatar a medida.

Na terça-feira, a empresa de marketing turístico Visit Berlin e o Departamento de Economia do Senado da capital haviam lançado a peça de campanha intitulada "Nós respeitamos as regras anticoronavírus", enfatizando a importância de salvaguardar a saúde dos mais idosos.

Acima da foto da sisuda velhinha, lia-se: "O dedo indicador levantado para todos sem máscara", numa referência à expressão em alemão indicando reprovação. A ironia era que o dedo mostrado era o médio, também conhecido como Stinkefinger (dedo fedorento).

No entanto o cartaz provocou críticas nas redes sociais, sendo tachado de ofensivo por alguns. O prefeito de Berlim, Michael Müller, o classificou de "constrangedor" e, à emissora local RBB, fez questão de frisar que o Senado da capital não encomendara tal campanha de informação pública.

"Haveria meios mais felizes de atrair a atenção para a urgência da situação", comentou o político do Partido Social-Democrata (SPD), referindo-se ao pico de novas infecções na metrópole, cujos habitantes estão proibidos de viajar a diversas regiões da Alemanha.

Lorenz Maroldt, editor-chefe do jornal berlinense Tagesspiegel, igualmente se opôs ao cartaz: "A aplicação das portarias anticoronavírus não funcionou muito bem em Berlim. Então o Senado está tentando com xingamento do público."

O deputado Marcel Luthe, recém-afastado do Partido Liberal Democrático (FDP), revelou ter apresentado queixa formal à polícia contra o cartaz, alegando que ele incitava ao ódio contra quem não pode usar máscaras, como crianças pequenas e portadores de patologias.

O porta-voz da Visit Berlin Christian Tänzler argumentou que a peça publicitária pretendeu evocar o senso de humor seco típico de Berlim, assim como sua fama de excêntrica entre as cidades alemãs. "É uma imagem provocadora", admitiu, acrescentando que a campanha prossegue, mas o poster será excluído.

AV/rtr,dpa

 

Leia mais