Berlim recupera estatueta desaparecida na Segunda Guerra | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 28.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Berlim recupera estatueta desaparecida na Segunda Guerra

Durante 30 anos, obra etrusca de bronze esteve em mãos de um colecionador britânico e foi descoberta ao ser levada a leilão. Escultura data do final do século 6 e início do século 5 a.C..

Museu Antigo em Berlim recebe estátua reencontrada

Museu Antigo em Berlim recebe estátua reencontrada

Uma escultura de bronze etrusca desaparecida desde a Segunda Guerra Mundial foi recuperada nesta terça-feira (28/02) pela Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano (SPK), da qual fazem parte os museus públicos de Berlim. 

Estátua de guerreiro etrusco volta para Berlim

Estátua retrata guerreiro etrusco

A estatueta de um guerreiro com um capacete pertencia ao acervo de arte antiga dos museus de Berlim desde 1869 e foi identificada recentemente no mercado de arte.

Segundo a fundação, durante 30 anos, a escultura estava nas mãos de um colecionador privado britânico e foi levada a leilão em 2015. Ela teria sido adquirida pelo colecionador antes de 1979.

A casa de leilão britânica que deveria revender a peça entrou em contato com uma especialista do Museu Britânico. A obra foi reconhecida pela especialista como a escultura desaparecida do acervo berlinense. O leiloeiro se dispôs, então, a devolver o objeto ao legítimo proprietário.

"Essa devolução é um excelente exemplo de como proprietários, marchands e museus podem trabalhar juntos para devolver aos acervos obras de arte que desapareceram devido às circunstâncias históricas", afirmou o presidente da fundação, Hermann Parzinger.

A escultura recuperada, de 17 centímetros de altura, data do final do século 6 e início do século 5 antes de Cristo e pertence a um grupo de estatuetas com traços abstratos que retratam cenas de guerra e são procedentes da região central da Itália.

A estátua possuía ainda uma lança e um escudo, que foram perdidos no século 19, quando a obra chegou à coleção berlinense, doada pelo arqueólogo Eduard Gerhard.

CN/efe/dpa

Leia mais