Berlim faz apelo contra xenofobia após prisão de refugiado | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 06.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Crime em Freiburg

Berlim faz apelo contra xenofobia após prisão de refugiado

Afegão de 17 anos é suspeito de ter estuprado e matado estudante em Freiburg em outubro. Merkel e políticos alemães alertam contra generalizações em torno do crime, que reacendeu debate sobre política migratória no país.

Flores e faixas da polícia alemã marcam local onde jovem foi atacada em Freiburg

Flores e faixas da polícia alemã marcam local onde jovem foi atacada na cidade de Freiburg

O governo alemão pediu cautela à população nesta segunda-feira (05/12) após a prisão, durante o fim de semana, de um jovem refugiado afegão de 17 anos, suspeito de estuprar e matar uma estudante de 19 anos na cidade de Freiburg. O crime reacendeu o debate sobre a política migratória da Alemanha.

Em entrevista à emissora ARD, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou que o crime "deve ser absolutamente condenado como qualquer outro assassinato", e não apenas porque foi supostamente cometido por um imigrante do Afeganistão, cuja culpa ainda não foi comprovada.

Mais cedo, o porta-voz do governo, Steffen Seibert, também comentou  o caso, fazendo um apelo contra conclusões generalizadas. Ele declarou que, caso as acusações sejam confirmadas, o suspeito deve ser punido, mas pediu para que ninguém esqueça que se trata de "um crime possivelmente cometido por um refugiado afegão", e não por todos os afegãos ou por todos os refugiados.

O caso reacendeu o debate sobre a política migratória adotada por Merkel na Alemanha, país que, sozinho, recebeu cerca de 1,3 milhão de requerentes de asilo desde o início de 2015.

O prefeito de Freiburg, Dieter Salomon, acusou grupos de direita de usar o homicídio para incitar o ódio contra migrantes. O político também apelou para que o crime seja analisado de forma isolada. "Acredito que os cidadãos de Freiburg sabem que um crime terrível foi cometido, mas que isso não significa que todos os outros [refugiados] vão fazer o mesmo", disse o prefeito.

Já Thomas Strobl, secretário do Interior de Baden-Württemberg, estado onde Freiburg está localizada, declarou que "o suposto autor do crime deve ser levado à Justiça e exposto à lei, independentemente de sua nacionalidade ou de quantos anos já viveu na Alemanha".

Em entrevista ao jornal Bild, o vice-chanceler federal e ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, insistiu que crimes hediondos como esse "já existiam [no país] antes da chegada do primeiro refugiado do Afeganistão ou da Síria". O político rechaçou qualquer comentário ou atitude xenófoba.

Em meados de outubro, a estudante de Medicina Maria L., de 19 anos, estava a caminho de casa com sua bicicleta, após sair de uma festa, quando foi estuprada e assassinada. Seu corpo foi achado no rio Dreisam, que corta a cidade de Freiburg.

O suposto autor do crime – um jovem de 17 anos, sem antecedentes criminais e que chegou desacompanhado à Alemanha em 2015 – foi preso no sábado passado, depois de um teste de DNA comprovar que um fio de cabelo encontrado na cena do crime pertencia ao rapaz afegão.

EK/efe/dpa/afp/ots

Leia mais