BCE anuncia programa anticoronavírus de 750 bilhões de euros | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 19.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

BCE anuncia programa anticoronavírus de 750 bilhões de euros

Após críticas, Banco Central Europeu decide ampliar compra de títulos da dívida pública e privada e garante que fará o que for preciso para salvar o euro. "Tempos excepcionais exigem medidas excepcionais", diz Lagarde.

Christine Lagarde

"Não há limites para o nosso compromisso com o euro", disse Lagarde

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta quarta-feira (18/03) um programa de 750 bilhões de euros para compra de títulos públicos e também privados, numa tentativa de conter as graves consequências do novo coronavírus para a economia da zona do euro.  

A compra de ativos anunciada nesta quarta-feira é temporária e deve se estender até o fim de 2020 ou, se necessário, até a crise do novo coronavírus passar, afirmou a autoridade monetária europeia, que acrescentou ainda que irá além do valor anunciado "se for necessário".

"Tempos excepcionais exigem medidas excepcionais. Não há limites para o nosso compromisso com o euro", afirmou a presidente do BCE, Christine Lagarde, ecoando a famosa declaração do seu antecessor, Mario Draghi, que, em 2012, em meio à da crise do euro, usara a expressão whatever it takes (tudo que for necessário) para definir o compromisso da instituição com a moeda europeia.

O BCE realizou uma reunião de emergência nesta quarta-feira, depois de a habitual reunião de política monetária da semana passada ter aprovado medidas, como compras adicionais este ano de 120 bilhões de euros de dívida pública e privada, que foram consideradas insuficientemente pelos mercados financeiros e por líderes europeus, como o presidente francês, Emannuel Macron, e o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

A reunião de emergência foi convocada depois de surgirem os primeiros sinais de que os investidores estavam perdendo a confiança na capacidade da Itália de pagar sua dívida de 2,4 trilhões de euros. Isso poderia elevar os juros da dívida italiana para valores insustentáveis, pondo em risco toda a zona do euro.

Lagarde foi muito criticada na semana passada, quando deixou a impressão de que caberia aos países-membros, e não ao BCE, o protagonismo no combate à crise econômica causada pelo novo coronavírus.

No âmbito do programa anunciado, o BCE vai comprar títulos da dívida de governos e de empresas da zona do euro, incluindo títulos da Grécia, que havia sido excluída de programas anteriores devido à sua baixa avaliação de crédito.

No jargão financeiro, a prática é conhecida como quantitativ easing (flexibilização quantitativa) e é uma ferramenta comum em política monetária para combater crises.

O BCE afirmou ainda que pode ampliar o escopo do programa, bem como os critérios para compra de títulos, "o quanto for necessário e pelo tempo necessário".

Investidores reagiram de forma positiva, e as bolsas de valores europeias registraram alta no início da manhã desta quinta-feira. Na semana passada, o mercado financeiro havia reagido com indiferença perante as medidas anunciadas.

A intervenção do BCE também se refletiu no mercado da dívida soberana, cujos juros recuaram em todos os prazos depois de terem atingido valores máximos na quarta-feira.

Macron anunciou pleno apoio às medidas, que chamou de excepcionais, e acrescentou que cabe aos países-membros fazer a sua parte, com "intervenções orçamentárias e maior solidariedade financeira dentro da zona do euro".

O ministro alemão da Economia, Peter Altmaier, também aprovou as medidas. Em declarações à emissora Deutschlandfunk, ele disse esperar "que essas medidas deixem claro para as bolsas de valores que a Europa vai proteger seus interesses e está determinada a superar a crise".

Nas últimas semanas, os índices da principais bolsas europeias registraram fortes quedas, amedrontando os investidores. O DAX, da Bolsa de Frankfurt, que chegou a superar os 13.700 pontos há um mês, está nesta quinta-feira em torno dos 8.500.

O economista Frederik Ducrozet, do banco suíço Banque Pictet & Cie, mostrou-se bem impressionado com o anúncio do BCE. "Não se poderia esperar mais do que isso", afirmou.

AS/rtr/lusa/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais