Bélgica perde semifinal, mas ganha orgulho nacional | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 11.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa de 2018

Bélgica perde semifinal, mas ganha orgulho nacional

Belgas raramente demonstram orgulho de seu país, marcado por diferenças culturais e que abriga centenas de milhares de imigrantes. Apesar da derrota contra a França, seleção deu ao país sentimento de unidade.

Na arquibancada do estádio de Kaliningrado, torcedores vestidos de amarelo, vermelho e preto durante partida da seleção belga contra a Inglaterra

Torcedores vestidos de amarelo, vermelho e preto durante partida da seleção belga contra a Inglaterra

A Bélgica não é o tipo de país onde é provável ver bandeiras sendo agitadas no ar durante feriados nacionais. Na capital, Bruxelas, os emblemas da União Europeia são mais numerosos que os símbolos belgas. Mas a cada quatro anos, tudo muda quando comunidades diferentes deixam de lado suas diferenças e ficam infladas de orgulho pela seleção nacional de futebol.

Às sete horas da noite desta terça-feira (10/07), milhares de torcedores vestidos de preto, amarelo e vermelho estavam reunidos na Place Dumon, nos arredores da capital, para assistir à semifinal da Copa do Mundo. 

Woulwe-Saint-Pierre foi um dos pouquíssimos bairros autorizados a sediar uma transmissão pública de um jogo do Mundial, depois que o prefeito de Bruxelas, Philippe Close, proibiu as exibições no centro.

Quando pressionado por jornais locais sobre o motivo da decisão, o porta-voz da prefeitura respondeu: "Isso exige uma mobilização policial maciça para a segurança. Bruxelas é uma cidade multicultural com 184 nacionalidades, então, cada jogo vai mobilizar pelo menos uma comunidade."

Isso não impediu torcedores vindos de todos os cantos da cidade de se reunir e torcer pelo time nacional na busca daquela que teria sido a primeira final de Copa do Mundo da Bélgica. No entanto, o gol de Samuel Umtiti, aos cinco minutos do segundo tempo, garantiu a vitória aos franceses da "Les Bleus".

O goleiro da seleção belga, Thibaut Courtois, afirmou no Twitter que a derrota foi dura, mas que tem muito orgulho de fazer parte da equipe. Ele também agradeceu aos torcedores.

"Todos estão representados"

A Bélgica é um Estado federal dividido em três regiões: Valônia, onde se fala majoritariamente francês e um pouco de alemão; Flandres, onde se fala flamengo; e Bruxelas-Capital, oficialmente bilíngue (francês e flamengo). O pequeno país no coração da Europa também é o lar de centenas de milhares de imigrantes, que, em sua maioria, chegaram ao país depois da Segunda Guerra Mundial em busca de trabalho.

"A identidade belga é muito frágil e complexa", afirma Jean Michel de Waele, professor de Ciências Políticas na Universidade Livre de Bruxelas. "Não é possível dizer simplesmente que a Bélgica é um país dividido porque temos uma perspectiva do mundo muito específica. Mas, normalmente, o norte e o sul vivem em realidades diferentes", constata.

De Weale pesquisou como os "Diabos Vermelhos", apelido da seleção belga de futebol, influenciam a população do país. "Durante a Copa do Mundo, passamos juntos pelas emoções. Ficamos muito unidos, e isso nos surpreende", diz.

Christian nasceu na comunidade de língua flamenga, mas se autodescreve como bruxelense. Questionado sobre o que gosta nos "Diabos Vermelhos", ele diz que "a seleção nacional de futebol é como a Bélgica: todos estão representados".

"Fiquei tão feliz quando ganhamos do Brasil que pulei de um lado para o outro. Fiquei orgulhoso de ser belga, e ainda tenho esse orgulho", disse outro torcedor, Loïc, de 18 anos.

Nicola, de 29 anos, da Suíça, e Jonathan, de 27, do Congo, concordam com ele. "A Bélgica nos deu as boas-vindas. Não importa se você é negro, amarelo ou vermelho, somos todos como irmãos", define.

Milhares de torcedores reunidos na Place Dumon, nos arredores de Bruxelas, para ver a semifinal contra a França

Torcedores reunidos na Place Dumon, nos arredores de Bruxelas, para ver a semifinal contra a França

De fato, Bruxelas é extremamente cosmopolita: passear pela cidade às vezes é como viajar pelo mundo. Mas existem fronteiras invisíveis entre bairros diferentes, e comunidades tendem a permanecer unidas mesmo com o passar das gerações.

A integração nunca é fácil, mas "as dificuldades pelas quais o país passou nos últimos anos, como a crise política dos 541 dias, ou os ataques [terroristas] de Bruxelas mudaram um pouco a imagem que temos de nós mesmos", avalia De Waele.

No próximo sábado, as ruas da Bélgica se encherão novamente de pessoas vestidas de preto, amarelo e vermelho, na esperança de que o time conquiste o terceiro lugar da Copa da Rússia. 

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados