Autoridades turcas confiscam material da Deutsche Welle | Notícias internacionais e análises | DW | 06.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Autoridades turcas confiscam material da Deutsche Welle

Ancara apreende gravação de entrevista com o ministro turco da Juventude e do Esporte, Akif Çagatay Kiliç. Governo alega que "perguntas feitas não foram as planejadas".

Ministro turco da Juventude e do Esporte, Akif Cagatay Kilic, durante entrevista à DW

Ministro turco da Juventude e do Esporte, Akif Cagatay Kilic, durante a entrevista à DW

Imediatamente após a gravação de uma entrevista televisiva com o ministro turco da Juventude e do Esporte, Akif Çagatay Kiliç, para o talk show da DW "Conflict Zone", autoridades turcas confiscaram as imagens de vídeo. A entrevista foi conduzida pelo apresentador Michel Friedman na noite desta segunda-feira (05/09), na capital Ancara.

As gravações foram realizadas nas dependências do próprio Ministério da Juventude e do Esporte e incluíam perguntas que haviam sido enviadas previamente ao ministério.

Friedman perguntou sobre a tentativa de golpe de Estado em julho, assim como sobre as demissões em massa e as detenções que ocorrerem na sequência. Ele perguntou sobre a situação da mídia na Turquia e também sobre a posição da mulher na sociedade turca. O ministro Kiliç foi convidado para explicar as várias declarações feitas pelo presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, em relação a estes tópicos.

Assim que o ministro saiu da sala, o assessor de imprensa do ministro anunciou que a DW não seria autorizada a transmitir a entrevista. Quando Friedman e colegas editorais protestaram, o material foi confiscado por funcionários do ministério turco.

DW protesta

O diretor-geral da DW, Peter Limbourg, pronunciou-se nesta terça-feira sobre o comportamento das autoridades turcas. "O incidente é prova de uma violação flagrante da liberdade de imprensa na Turquia. O que estamos vivenciando constitui um ato de coerção do regime turco. Já não se segue a lei, e isso não tem nada que ver com democracia", disse Limbourg.

"Não pode ser que um ministro responda de boa vontade a uma entrevista e, em seguida, tenta bloquear a transmissão simplesmente porque não gostou das perguntas feitas. Estamos solicitando às autoridades turcas a devolução imediata do material e iremos considerar nossas opções legais."

Logo após o incidente, a DW apelou ao Ministério da Juventude e do Esporte turco, assim como à direção-geral turca para a imprensa e informação, exigindo a liberação das imagens de vídeo. Um prazo fixado para o meio-dia (horário local) desta terça-feira expirou sem qualquer resposta.

Durante diversas conversas telefônicas com representantes do Ministério da Juventude e do Esporte, a DW solicitou repetidamente a devolução do material. A resposta manteve-se inalterada: o ministério não está de acordo com a difusão da entrevista.

Em comunicado feito ao departamento de língua turca da DW, Übeydullah Yener, assessor de imprensa do ministro, afirmou: "Não houve autorização para a entrevista. As perguntas feitas não foram as planejadas. O próprio senhor Friedman sabe exatamente por que isso aconteceu. Algumas afirmações estavam mais para alegações. Em tal situação, não foi concedida autorização."

Leia mais