Austrália reimpõe quarentena a 5 milhões de pessoas | Notícias internacionais e análises | DW | 07.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Austrália reimpõe quarentena a 5 milhões de pessoas

Novo surto de coronavírus força Melbourne, segunda maior cidade do país, a colocar toda a sua população em confinamento obrigatório por seis semanas. Pandemia estava sob controle desde abril.

Bombeiros distribuem comida em um prédio isolado em Melbourne

Bombeiros distribuem comida em um prédio isolado em Melbourne

Melbourne, segunda maior cidade da Austrália, ordenou nesta terça-feira (07/07) que seus quase cinco milhões de habitantes voltem ao confinamento obrigatório, após o surgimento de um novo surto de coronavírus.

O isolamento obrigatório começa a partir desta quarta-feira e durará inicialmente seis semanas. Ele foi decidido após a cidade, no sudeste da Austrália, ter registrado 191 novos casos de covid-19 em apenas 24 horas.

"Não podemos fingir que a crise passou", disse o governador Daniel Andrews, do estado de Victoria, onde fica Melbourne. "Esses números são insustentavelmente altos."

Os novos casos na cidade configuram a primeira vez que um surto é registrado na Austrália desde abril, quando a propagação do vírus foi declarada como sob controle pelas autoridades.

"Ninguém queria estar nesta posição. Eu sei que haverá enormes danos por causa disso. Será um grande desafio", complementou o governador.

Os moradores da cidade terão que ficar confinados em suas casas e só poderão sair para o trabalho, fazer exercício, para buscar cuidados médicos ou comprar mantimentos essenciais. A maioria dos estudantes retornará ao aprendizado à distância. Restaurantes e cafés estarão limitados a servir comida para levar.

Há uma preocupação crescente entre as autoridades australianas de que a maioria dos novos casos de Melbourne não esteja diretamente ligada aos residentes que retornaram do exterior.

"A situação em que nos encontramos é mais grave do que no final de março, porque temos transmissão comunitária, o que é muito mais difícil de rastrear do que infecções entre viajantes retornando ao país", disse Raina MacIntyre, especialista em biossegurança da Universidade de Nova Gales do Sul, à agência de notícias AFP. "As pessoas em toda a Austrália tem que aceitar a gravidade da situação e fazer seu papel."

O bloqueio cobre a área metropolitana de Melbourne, mas todo o estado de Victoria será efetivamente isolado do resto do país a partir de terça-feira à noite. As fronteiras estaduais ficarão fechadas.

Policiais e militares patrulharão dezenas de postos de fronteira e usarão drones e outras aeronaves para verificar a vasta passagem para outros estados do país, onde o coronavírus está sob controle.

Na semana passada, as autoridades sanitárias já haviam isolado cerca de 300 mil residentes de Melbourne do resto da cidade até o final de julho. A quarentena, agora, valerá para toda a cidade.

Até o momento, a Austrália registrou quase 9 mil casos de covid-19 e 106 mortes. Quase todos os novos casos estão sendo detectados em Melbourne. As autoridades tentam testar em massa a população e alertam com frequência contra a desinformação na internet.

RPR/afp/ap/ots

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais