Austrália reconhece Jerusalém como capital de Israel | Notícias internacionais e análises | DW | 15.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Austrália reconhece Jerusalém como capital de Israel

Governo em Camberra anuncia mudança de sua embaixada para Jerusalém Ocidental, mas a representação não será transferida de Tel Aviv até que haja um acordo de paz com palestinos, diz premiê australiano.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou neste sábado (15/12) o reconhecimento de Jerusalém Ocidental como capital de Israel, embora tenha decidido manter a sua embaixada em Tel Aviv até que haja um acordo de paz com a Palestina.

"O governo australiano decidiu que a Austrália reconhecerá Jerusalém Ocidental, onde fica a sede do Knesset [Parlamento de Israel] e de muitas das instituições governamentais, como a capital de Israel", disse Morrison em discurso no Instituto de Sydney.

O primeiro-ministro afirmou ainda que a Austrália está disposta a reconhecer Jerusalém Oriental como capital da Palestina se um acordo de paz for alcançado, numa solução de dois Estados. A embaixada australiana não será transferida de Tel Aviv até que haja acordo, garantiu.

"Reconhecendo o nosso compromisso com uma solução de dois Estados, o governo [australiano] também tem a intenção de reconhecer as aspirações dos palestinos de um futuro Estado com sua capital em Jerusalém Oriental", ressaltou Morrison.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) havia pedido na sexta-feira ao governo da Austrália para que não transfira a embaixada do país em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

A solicitação foi feita em carta enviada pela integrante do Comitê Executivo da OLP, Hanan Ashrawi, ao primeiro-ministro Scott Morrison.

Para a OLP, o hipotético reconhecimento australiano representaria uma violação do status legal de Jerusalém. Além disso, a organização considera que a medida seria unilateral, colocando em risco a retomada das negociações de paz entre palestinos e israelenses.

"A única maneira de resolver o problema de Jerusalém seria reconhecer o Estado da Palestina, com Jerusalém Oriental como sua capital, em linha com o direito internacional", disse Ashwari na carta enviada ao primeiro-ministro da Austrália.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rompeu o consenso internacional em dezembro de 2017 ao reconhecer Jerusalém como capital de Israel, mudando a embaixada do país para a Cidade Santa em maio, uma decisão que foi seguida apenas pela Guatemala.

O Paraguai, ainda no governo de Horacio Cartes, chegou a anunciar que seguiria o mesmo caminho, mas a decisão foi revista depois da posse do atual presidente do país, Mario Abdo Benítez.

Além deles, o presidente eleito Jair Bolsonaro já sinalizou que deve mudar a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém.

Em viagem aos Estados Unidos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito, disse que a mudança já estava definida. Faltava decidir apenas quando ela ocorreria.

"A questão não é perguntar se vai [ocorrer], a questão é perguntar quando será", afirmou o deputado em recente visita a Washington.

Em carta ao presidente eleito, a Liga Árabe alertou Jair Bolsonaro no início da semana que a transferência da embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém poderia prejudicar as relações brasileiras com os países árabes.

CA/lusa/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais