Atos contra Dilma levam manifestantes às ruas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.08.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Atos contra Dilma levam manifestantes às ruas

Protestos convocados nas redes sociais começam a tomar ruas de mais de 200 cidades brasileiras para pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Presença do líder do PSDB, Aécio Neves, segue incerta.

Protestos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff prometem tomar neste domingo (16/08) ruas de mais de 200 cidades no Brasil e até no exterior. Os atos foram convocados nas redes sociais por grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL), Revoltados Online e Vem pra Rua.

No Facebook, até esta sexta-feira, quase 90 mil pessoas haviam confirmado participação. Outras 60 mil pessoas expressaram repúdio à convocação, confirmando "não vou" na conta do Facebook "Não me Representam", contrária ao impeachment.

A expectativa dos organizadores é que os atos reúnam mais participantes que os protestos anteriores, em abril e março. Em 15 de março, 2,4 milhões de pessoas foram às ruas de cidades em todo o Brasil em marchas contra o governo. Em 12 de abril, a adesão geral foi de cerca de 700 mil pessoas, segundo levantamento da Polícia Militar.

As lideranças do PSDB, maior partido da oposição, continuam divididas sobre o apoio ao impeachment. Por isso, a legenda não se posicionou oficialmente sobre o assunto. Entre as figuras de ponta do partido contrárias ao impeachment estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Já os líderes do PSDB na Câmara e no Senado, o deputado Carlos Sampaio e senador Cássio Cunha Lima, têm se pronunciado a favor da saída da presidente. Ambos são alinhados com o presidente do PSDB, Aécio Neves, que até esta sexta-feira não havia confirmado presença nas manifestações pela saída de Dilma.

Clima de incerteza

Artigo publicado nesta quarta-feira pelo New York Times sobre os escândalos de corrupção e a crise econômica brasileira cita os protestos agendados para domingo. O jornal americano afirma que a série de escândalos de corrupção cria o maior clima de incerteza política desde a redemocratização.

Na quinta-feira, Dilma voltou a defender a democracia e o respeito aos candidatos vitoriosos nas eleições, durante encontro com representantes de mais de 50 entidades da sociedade civil, incluindo sindicatos e movimentos sociais, que são contra o fim do mandato da presidente antes de 31 de dezembro de 2018. "A democracia é algo que temos que preservar custe o que custar", disse ela, ao lembrar o período em que esteve presa durante a ditadura militar.

Dilma disse que enfrentará o atual momento do país sem que haja retrocessos nas políticas sociais. "Não estou aqui para resolver todos esses problemas este ano. Estou aqui para resolver esses problemas e entregar um país muito melhor no dia 31 de dezembro de 2018."

Recorde de impopularidade

Pesquisas de opinião indicam que a popularidade de Dilma alcançou o pior nível já obtido por um presidente brasileiro desde 1990. Segundo sondagem do Instituto Datafolha divulgada quinta-feira da semana passada, 71% dos entrevistados classificam o atual governo como ruim ou péssimo, um aumento significativo em relação aos 65% de reprovação registrados na pesquisa anterior, de junho.

Apenas 8% dos entrevistados consideram o governo bom ou ótimo, 2 pontos percentuais a menos que o registrado na pesquisa anterior.

De acordo com o Datafolha, 66% dos entrevistados defendem que o Congresso Nacional abra um processo de impeachment da presidente, mas apenas 38% acreditam que Dilma será afastada do cargo.

MD/ebc/lusa

Leia mais