Ataques aéreos matam ao menos 52 na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Síria

Ataques aéreos matam ao menos 52 na Síria

De acordo com Observatório Sírio dos Direitos Humanos, bombardeios foram executados por aviões russos em regiões controladas por rebeldes. Moscou é um dos mais fiéis aliados do regime Bashar al-Assad.

Syrien Bürgerkrieg Luftangriffe in Idlib (picture-alliance/AA/B. Baioush)

Dezenas de pessoas ficaram feridas em bombardeio a mercado em Kafr Nabl

Ao menos 52 pessoas morreram em diversos ataques aéreos na província síria de Idlib, anunciou neste domingo (04/12) o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), sediado em Londres. A maioria das vítimas é formada por civis, informou o Observatório.

O OSDH, que dispõe de uma vasta rede de fontes no país, apontou que dezenas de pessoas ficaram feridas nos bombardeios à localidade de Kafr Nabl, onde foi atingida uma praça de mercado. Segundo o Observatório, os ataques foram realizados por aviões russos.

No mês passado, a Rússia, um dos mais fiéis aliados do regime Bashar al-Assad, anunciou uma ofensiva nas províncias de Idlib (noroeste) e Homs (centro). Moscou intervém na guerra civil na Síria desde setembro de 2015.

Idlib é controlada em grande parte por uma coalizão de grupos rebeldes conhecida como Exército da Conquista. Entre eles, também se encontra a antiga Frente al-Nusra, atual Frente Fateh al-Sham, ou Frente da Conquista do Levante.

A maior parte da província de Homs é controlada pelo governo sírio, mas pequenas regiões estão ainda nas mãos de grupos rebeldes.

Atualmente, a Força Aérea russa participa, entre outros, da ofensiva das tropas do governo fiéis a Assad para a reconquista da cidade de Aleppo, no norte do país.

A guerra civil na Síria, desencadeada em março de 2011 devido à brutal repressão de manifestações exigindo reformas, já deixou mais de 300 mil mortos.

CA/dpa/lusa/afp     

Leia mais