Assassino de egípcia é condenado à prisão perpétua na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 11.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Assassino de egípcia é condenado à prisão perpétua na Alemanha

Depois de quatro meses de processo, Tribunal Regional de Dresden determinou pena máxima para alemão de origem russa que esfaqueou egípcia em pleno tribunal. Na sentença, xenofobia aparece como principal motivo do crime.

default

Alex W. foi condenado à prisão perpétua por assassinato

O alemão de origem russa, Alex W., de 28 anos, foi condenado a prisão perpétua pelo assassinato da egípcia Marwa El-Sherbini, de 31 anos, em Dresden, no Leste alemão. A sentença foi anunciada nesta quarta-feira (11/11) no Tribunal Regional de Dresden pela juíza Birgit Wiegand.

Olhando diretamente para o réu, a juíza disse que ele terá que arcar com todos "os danos materiais e imateriais que causou" aos pais, ao viúvo, ao irmão e ao filho de três anos da vítima.

Pouco antes do fim do processo, a Promotoria Pública russa entregou um documento, declarando que W. fora dispensado do Exército por motivos de doenças psíquicas. Além disso, os advogados de defesa alegaram que o réu apresentava índices de distúrbios paranóicos de personalidade. Ainda assim, a sentença máxima prevaleceu.

Xenofobia e "islamofobia"

Marwa El Sherbiny Ägypterin in Dresdener Gericht ermordet

Marwa foi morta a facadas dentro do tribunal

Na Alemanha, réus condenados a prisão perpétua podem obter liberdade depois de cumprirem 15 anos de pena. Em seu veredicto, no entanto, o tribunal de Dresden constatou a culpa de excepcional gravidade, o que descarta, praticamente, a libertação após 15 anos de prisão.

Um dos espectadores do processo, o embaixador do Egito na Alemanha, Ramzy Ezzeldin Ramzy, declarou estar muito satisfeito com a pena determinada para W.

A encarregada de integração do governo alemão, Maria Böhmer, considerou a sentença final "um importante sinal para o povo do Egito e outras partes do mundo árabe" e acrescentou que "não há espaço para xenofobia e 'islamofobia' em nosso país".

Antes do anúncio do veredicto, cerca de 100 muçulmanos protestaram contra discriminação. Os manifestantes defendem que o governo tome providências contra todas as páginas na internet e grupos que promovem o ódio contra o Islã e seus seguidores.

Crime xenófobo

Elwi Ali Okaz, Ehemann von Marwa El-Sherbini, am letzten Verhandlungstag im Landgericht Dresden

Marido de Marwa El-Sherbini foi baleado por engano e ficou gravemente ferido

De acordo com a juíza Wiegand, o motivo do crime foi "ódio contra estrangeiros que sempre fora uma constante na vida do acusado". Ela ainda afirmou que W. descrevera a vida na Alemanha como "uma m... multicultural", pois, para ele, os estrangeiros roubavam o seu emprego.

Alex W. assassinou a egípcia Marwa el-Shirbini, que estava grávida, em 1º de Julho deste ano durante uma sessão no tribunal. Ela havia apresentado queixa contra o jovem alemão por danos morais, depois de ser chamada de "vadia" e "terrorista" em um parque infantil em Dresden.

Enquanto encerrava o seu depoimento, a egípcia fora esfaqueada por W. 16 vezes, segundo testemunhas presentes. No momento do ataque, o marido da vítima tentou defendê-la, foi erroneamente baleado por um policial e ficou gravemente ferido. A cena aconteceu na presença do filho do casal de três anos.

JBN/dpa/epd/afp

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais