Ascensão alemã ameaça hegemonia espanhola no futebol europeu | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 04.05.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Ascensão alemã ameaça hegemonia espanhola no futebol europeu

Superioridade de Bayern de Munique e Borussia Dortmund sobre Barcelona e Real Madrid na Liga dos Campeões pode anunciar uma redefinição na supremacia no continente.

A última vez que um clube alemão conquistou a Liga dos Campeões da Europa foi em 2001, quando o Bayern de Munique derrotou o Valencia nos pênaltis. Desde então, nenhuma equipe da Bundesliga ganhou qualquer título internacional, nem na Liga dos Campeões, nem na Copa da UEFA – atual Liga Europa.

Nesse mesmo período de 12 anos, os clubes espanhóis se revelaram verdadeiros colecionadores de títulos. Ao todo, venceram quatro vezes a Liga dos Campeões – Real Madrid em 2002, Barcelona em 2006, 2009 e 2011 – e cinco vezes a Liga Europa – Valencia em 2004, Sevilla em 2005 e 2006, Atlético de Madrid em 2010 e 2012.

E, claro, nos últimos anos a seleção espanhola tem reinado absoluta no cenário internacional. Além de ser campeã mundial (2010), a equipe da "Fúria" detém o bicampeonato da Copa da Europa (2008 e 2012).

WM 1990 Italien Beckenbauer Flash

Franz Beckenbauer era o técnico da Alemanha na conquista do tricampeonato mundial em 1990

Quanto aos alemães, sua última conquista europeia foi em 1996, quando a seleção comandada por Berti Vogts derrotou a Inglaterra na final da Eurocopa. E em 1990, a equipe de Lothar Matthäus e Jürgen Klinsmann conquistou o último mundial para seu país, ao derrotar a Argentina de Maradona e Caniggia.

Como se pode observar, o retrospecto é extremamente favorável à Espanha; não restam dúvidas sobre sua superioridade nos últimos anos. Ainda assim, após a eliminação do Barcelona e do Real Madrid na última semifinal da Liga dos Campeões, já se fala em uma "troca da guarda" no topo do futebol europeu, com os alemães assumindo a ponta.

Bayern na ponta, Alemanha (ainda) não

No entanto, uma análise mais aprofundada da relação de forças entre essas duas potências não permite afirmar com clareza a mudança na supremacia do futebol europeu. Ao menos enquanto a seleção alemã do técnico Joachim Löw não conquistar nenhum título. A superação do Real Madrid pelo Dortmund é, sem dúvida, um fato notável, mas nos últimos anos a equipe madrilenha não tem sido uma das mais fortes entre os grandes do futebol europeu. Quem reinava absoluto era seu grande rival, o Barcelona.

Por essa razão, a humilhação imposta pelo Bayern à equipe de Lionel Messi e companhia das semifinais, contabilizando 7 a 0 nos dois jogos, constitui um resultado muito mais importante. Esse, sim, pode ser um sinal significativo de redefinição de forças, na luta pela supremacia do futebol europeu.

Oliver Kahn, ex-goleiro do Bayern de Munique e da seleção alemã, afirma que "o Barcelona ditou o padrão pelo qual muitos no mundo do futebol se orientaram. Muitas equipes adotaram sua maneira de jogar e são agora capazes de derrotá-los utilizando suas próprias armas.

Por essa razão, é normal que o Barcelona esteja passando por dificuldades". Kahn ressalta ainda que "agora pode ter chegado a vez de o Bayern se manter no topo por bastante tempo". O ex-goleiro, contudo, não fala em "troca da guarda", e tem quem o apoie.

Matthias Sammer

Matthias Sammer, diretor esportivo do Bayern de Munique

Questionado se a mudança na supremacia já estaria ou não consolidada, o diretor esportivo do Bayern, Matthias Sammer, respondeu: "Não sem um título internacional, nem num período tão curto". Ainda assim ele ressalta que "após 2010 e 2012, esta é a terceira vez que o Bayern chega a uma final de Liga dos Campeões. Isso mostra uma qualidade forte. Mas é preciso ter um pouco de cuidado com o conceito de troca de supremacia".

Segundo Sammer, o Bayern está num bom caminho. "Só que temos que ganhar esse título agora. Isso é claro!", afirma. Já para o ex-craque da seleção alemã e do Bayern Franz Beckenbauer, a queda de rendimento dos espanhóis é algo apenas algo temporário. "Eles vão se irritar e vão se reerguer", prevê o "Kaiser" do futebol alemão.

Apenas mais cinco anos de vida

A questão, no entanto, é: por quanto tempo ainda. Ao contrário da Bundesliga, a vida na primera división não é um mar de rosas. Somadas, as dívidas dos clubes espanhóis chegam a quase 4 bilhões de euros. O economista espanhol José María Gay de Liebana calcula que só restam mais cinco anos à primeira divisão da Espanha, "depois ela está morta". "A situação econômica é desastrosa, pois não há crescimento, e o total das dívidas é de 3,6 bilhões de euros – quatro vezes mais do que na Bundesliga."

Um terço desse valor é contabilizado para Barcelona e Real Madrid, mas os dois grandes do futebol espanhol conseguem saldar suas dívidas através dos prêmios da Copa da Europa, do merchandising e da verba proveniente das transmissões de TV. O problema maior é dos clubes pequenos, que querem competir contra os gigantes e acabam se sobrecarregando. Um exemplo é o Valencia, cujo novo estádio é uma ruína inacabada, e que amarga uma dívida de 450 milhões de euros.

Em termos de finanças, a Bundesliga está bem à frente dos espanhóis. Falta agora apenas o título, para formalizar também no plano esportivo a troca na supremacia europeia. Mas no dia 25 de maio, em Londres, já será dado um primeiro passo nesse sentido. Pois uma coisa é certa: na decisão da Liga dos Campeões, o vencedor será da Alemanha.

Leia mais