As previsões que não se confirmaram nas eleições | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

As previsões que não se confirmaram nas eleições

Bolsonaro vai desidratar, Alckmin vai crescer com a TV, o país vai passar por mais uma polarização PT x PSDB e a renovação do Congresso vai ser baixa. Veja algumas apostas que foram contrariadas no primeiro turno.

Partidários de Lula após a votação no dia 7

Partidários de Lula após a votação no dia 7

- Bolsonaro vai desidratar ao longo da campanha

A previsão se apoiava na visão de que recursos, tempo de TV, alianças e estrutura partidária ainda seriam decisivos para todos os candidatos. De acordo com essa visão, Jair Bolsonaro, filiado ao até o último domingo (07/10) irrelevante PSL, seria varrido ou no mínimo desidrataria em uma corrida com gigantes como o PT e PSDB.

"Bolsonaro é uma bolha e vai desidratar", disse um analista em dezembro de 2017. Em junho, Bolsonaro era o candidato com mais votos em uma corrida sem o ex-presidente Lula, mas isso não se sustentaria ou se ampliaria. "Bolsonaro bateu no teto e não tem força para se eleger", apontou um colunista de um jornal brasileiro.   

Sem alianças dignas de nota, o ex-capitão só conseguiu oito segundos na TV. Não foi raro que analistas apontassem que Bolsonaro havia atingido um "teto" a cada subida nas pesquisas.  

Alguns caciques políticos ainda apostaram que o discurso extremista do ex-capitão iria repelir parcelas decisivas do eleitorado. O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disse em dezembro que Bolsonaro "é depositário de parcela que não vai ficar com ele até o fim, que vai migrar para um candidato, eu diria, mais equilibrado, de centro”.

Bolsonaro não minimizou muitas de suas declarações preconceituosas e autoritárias, mas isso não parece ter feito diferença para uma parte do eleitorado. Sua rejeição aumentou, mas ele nunca viu sua liderança ameaçada desde que Lula foi barrado. Também continuou a fazer campanha no improviso e apoiada na disseminação de mentiras e boatos. Segundo sua prestação de contas, ele só gastou 1,2 milhão no primeiro turno. 

Quando as urnas foram apuradas, tinha 46% dos votos válidos. Menos de quatro pontos o separaram da vitória já no primeiro turno. Sua candidatura ainda relevou capacidade espantosa de transmitir popularidade para outros candidatos. Novatos que colaram seus nomes ao ex-capitão dispararam nas urnas.

- Propaganda eleitoral e alianças vão impulsionar Alckmin

Desde 1994, todos os candidatos que venceram a disputa para o Planalto se aliaram com um ou mais partidos influentes e contaram com tempo considerável de propaganda na TV. Lula se aliou com quatro siglas em 2002. Dilma, nove em 2010. Isso também valeu para todos que chegaram ao segundo turno. José Serra se aliou com cinco siglas em 2010. Aécio, oito em 2014.

E qual candidato em 2018 tinha à sua disposição o maior leque de alianças e tempo de TV? O tucano Geraldo Alckmin.

Em julho, ele formou uma aliança com dez partidos. A coligação acumulou 43% de tempo da propaganda na TV. Mesmo largando com números nada animadores nas pesquisas - tinha 6% em junho -, parecia ter potencial. "Pode ter rede social do tamanho que for. A propaganda na TV ainda é a maior chave para crescer", afirmou Bruno Araújo, um dos coordenadores da equipe tucana.

"Alckmin é o favorito, aponta analista" foi o título de uma entrevista do jornal Valor em dezembro. Em agosto, outro observador apontou que levando em conta fatores como palanques regionais, carisma, simpatia do mercado, pesquisas e TV, os cenários apontavam um segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro.

Mas Alckmin nunca decolou. O amplo leque de alianças mascarou falta de unidade na coligação. A associação com o impopular governo Michel Temer também se revelou extremamente difícil de lidar para o PSDB. No final, o precioso tempo de TV acabou quase inteiramente gasto de maneira desesperada para criticar adversários, sem efeito prático. Alckmin obteve menos de 5% dos votos, o pior desempenho do PSDB em eleições presidenciais.   

- Dificuldades de transferir votos de Lula para Haddad

O PT hesitou em substituir Lula por Haddad. Mesmo preso, o ex-presidente chegou a ter 39% das intenções em agosto. Já Haddad, quando aparecia em cenários sem Lula, tinha meros 4% . Analistas e caciques de partidos rivais apontaram que seria difícil para o PT realizar uma bem-sucedida transferência de votos do ex-presidente para seu apadrinhado. A estratégia chegou a ser apontada como "suicida" já que os votos de Lula tendiam a se espalhar entre candidatos rivais ou se converterem em nulos e brancos. 

Em 2010, quando lançou Dilma à Presidência, o PT contava ainda com a máquina federal. Lula ainda acompanhou a futura presidente em dezenas de atos. Preso, não poderia fazer o mesmo por Haddad. "O Brasil é grande demais. Ninguém vai votar por procuração", disse a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), vice de Ciro Gomes.

No entanto, mesmo antes da substituição, Haddad já demonstrava potencial. Em agosto, 27% dos eleitores afirmaram que poderiam ou com certeza votariam em "um candidato indicado por Lula". Quando a substituição se concretizou, a transferência foi rápida. Em duas semanas, ele alcançou 22% das intenções e ficou em segundo lugar. No dia 22 de setembro, a revista Época apontou que "a transferência imediata de votos de ex-presidente foi subestimada".

No entanto, a partir de então, o próprio PT foi tomado pelo entusiasmo, passando a acreditar que Haddad seria capaz de ultrapassar Bolsonaro. Mas o petista estabilizou seus votos nas pesquisas. Porém, a transferência foi suficiente para levá-lo ao segundo turno.

- Mais uma polarização entre PSDB e PT

Não foi raro ainda na fase pré-eleitoral que analistas e caciques partidários projetassem uma repetição dos duelos presidenciais entre PT e PSDB que vigoraram ente 1994 e 2014. A previsão combinava projeções que acabaram se revelando falhas: Alckmin seria capaz de crescer e Bolsonaro encolheria.

No início do ano, com a saída de potenciais candidatos como Luciano Huck e Joaquim Barbosa, o campo político sinalizava um pleito nada propício para outsiders. Grandes máquinas partidárias ainda decidiriam o jogo a favor do PT e PSDB. Em agosto, o jornal Estado de S. Paulo publicou reportagem com o título "Sem outsider, antiga polarização PSDB e PT volta a ter hegemonia".

A própria direção do PSB - partido que permaneceu neutro na eleição nacional - fez essa leitura. "Estamos diante de uma realidade que se repete há praticamente três décadas, uma polarização entre PSDB e PT”, disse em agosto o presidente do PSB, Carlos Siqueira. Também houve apostas de que PT e PSDB saberiam captar melhor os eleitores que se sentiriam repelidos pelo extremismo de Bolsonaro.

Só que Alckmin não cresceu. Haddad chegou a subir, mas não ao ponto de ameaçar a liderança de Bolsonaro. No final, o PT se viu com um novo adversário, não o seu tradicional rival de décadas, mas um político que nunca exerceu posição de liderança e que se apresentou com sucesso como um outsider.  

- Baixa renovação no Congresso

Em 2017, grandes partidos do Congresso como MDB, PSDB e PT e uma série de siglas do Centrão se empanharam em criar um bilionário fundo de campanhas e regras para dificultar a entrada de siglas nanicas na Câmara. Além disso, 79% dos deputados se candidataram à reeleição. Entre as 54 vagas no Senado que entrariam na disputa, 32 ocupantes se candidataram novamente.

Tal quadro levou analistas a apontar que a renovação do Congresso seria baixa, considerando as vantagens que os os parlamentares com mandato contavam. Eles tinham acesso ao fundo e a vantagem de já estarem no poder e ter nome conhecido. Projeções apontavam que a renovação na Câmara seria mais baixa que a de 2014, que havia ficado em 43%. Em 2018, poderia ficar entre 35% e 40%. A velha política parecia firme.

No entanto, o resultado surpreendeu. O nanico PSL do direitista Bolsonaro avançou sobre os partidos de centro, como o PSDB e MDB, e se tornou a segunda maior bancada da Câmara, com 51 deputados. Algumas projeções anteriores a domingo apontava que nos melhores cenários o partido conquistaria até 18 cadeiras. Até mesmo alguns partidos pequenos de esquerda tiveram bom desempenho.

A renovação na Câmara acabou sendo de 52%, a maior em 20 anos. No Senado, só oito dos 32 ocupantes que disputaram um novo mandato foram reeleitos.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais