Arte pré-colombiana confiscada ficará retida em Munique | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 30.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Arte pré-colombiana confiscada ficará retida em Munique

Peças pré-colombianas de valor inestimável continuarão confiscadas em Munique até que seja esclarecido a quem pertencem.

Polícia de Munique apresentou uma das peças confiscadas

Polícia de Munique apresentou uma das peças confiscadas

A polícia alemã informou nesta quarta-feira (30/04) que manterá retida uma coleção de peças maias, incas e astecas confiscadas em Munique, até que esteja esclarecido a quem elas pertencem. "Como corre um conflito judicial sobre o que é reivindicado onde e por quem, por enquanto elas permanecerão confiscadas", disse o secretário do Interior da Baviera, Joachim Herrmann.

A coleção, avaliada em 64 milhões de euros, é reclamada por vários países latino-americanos, pela Espanha e também por particulares. Os investigadores disseram em Munique que ainda há muitas perguntas a serem elucidadas sobre o misterioso caso.

Peças participaram de exposição

Trata-se de cerca de 1.100 peças pré-colombianas, entre elas máscaras, esculturas e pedras preciosas, que chegaram a Munique procedentes da Espanha. Elas haviam sido expostas em Santiago de Compostela em 1997. A inauguração da mostra tinha contado com a presença da Nobel da Paz Rigoberta Menchú (Guatemala) e de Óscar Arias (Costa Rica).

Ao final da exposição, o acervo teria ficado em um depósito. Há algum tempo, as peças teriam sido declaradas desaparecidas e a Interpol teria sido acionada. As investigações levaram à Baviera, onde os peritos descobriram que a coleção chegou em março, trazida num caminhão de mudanças pelo costarriquenho naturalizado alemão Leonardo Augustus Patterson, de 66 anos. O colecionador montou a mostra na Espanha e teria vendido parte das peças quando começaram as suspeitas sobre sua origem.

O jornal mexicano El Universal publicou que se tratam basicamente de achados arqueológicos do México, cujo valor, segundo o jornal, é inestimável.

Leia mais