Arranha-céus de madeira ganham as cidades | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 15.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Arquitetura e urbanismo

Arranha-céus de madeira ganham as cidades

Arquitetos europeus apostam na versatilidade e resistência do material, projetando prédios de grande altura. Vantagens do material vão desde isolamento acústico natural a proteção do clima.

HoHo Wien, em Viena, combinará apartamentos residenciais com escritórios, lojas e um spa

HoHo Wien, em Viena, combinará apartamentos residenciais com escritórios, lojas e um spa

"O edifício de madeira mais alto do mundo!", é a frase estampada num enorme cartaz ao lado de um prédio em construção no município norueguês de Brummundal. Não há andaimes: guindastes e um elevador externo são usados para transportar o material de construção até onde ele é necessário. A madeira é proveniente de florestas norueguesas.

Quando terminar a construção, em março de 2019, o prédio de madeira terá 81 metros, 18 andares, 27 apartamentos, com áreas que vão de 67 a 149 metros quadrados, assim como uma piscina, um hotel, escritórios e restaurantes.

Tendência internacional?

Mas, apesar do que está escrito no poster, esse não será o maior prédio do mundo feito de madeira. Viena está atualmente construindo um de 84 metros, com uma escada de cimento. O edifício, chamado HoHo Wien, também combinará apartamentos residenciais com escritórios, lojas e um spa.

Pergunte aos austríacos, e eles lhe dirão que foram eles que criaram o conceito de usar madeira como um produto industrial. A Áustria é o maior produtor mundial de madeira laminada cruzada (CLT). E embora isso possa parecer não sustentável, ela é produzida sob a regra número um da indústria madeireira da Áustria: nunca cortar mais do que se pode replantar.

No bairro parisiense de Terne, está sendo construído todo um complexo de edifícios com CLT e vidro. Os terraços das estruturas de nove andares serão acessíveis ao público, com o fim de encorajar os cidadãos a se dedicarem à jardinagem urbana.

Na Alemanha foi construído um prédio de madeira de oito andares numa área que pertencia ao Exército dos Estados Unidos, na cidade bávara de Bad Aibling. Ele é atualmente um modelo para construções com eficiência energética.

Os arquitetos berlinenses Kaden+Lager estão construindo o prédio mais alto do país feito principalmente em madeira: o Skaio, em Heilbronn, terá dez andares e 34 metros de altura.

O renomado arquiteto Tom Kaden revelou à revista alemã The House  que quer tornar os prédios de madeira acessíveis a todos. Por isso ele prefere usar pregos de metal em vez de de madeira: a questão é aproveitar ao máximo cada material.

Kaden é professor de arquitetura e construção em madeira numa universidade austríaca. Ele ressalta que o motivo por que ainda não existem mais prédios de madeira é que cada arquiteto e cada carpinteiro tem que criar um novo modelos para cada caso. "Isso não é eficiente”, lamenta. "Hoje, temos várias maneiras diferentes de construir edifícios de madeira, não é lucrativo."

Além disso, o planejamento local e as leis de construção geralmente limitam a construção com madeira. A Alemanha ainda não tem regulamentações nacionais, e muitas vezes são necessárias autorizações individuais, que consomem tempo e são caras. Não é de surpreender que até agora os projetos mais espetaculares de prédios de madeira existam apenas no papel.

Construção de prédio de madeira na cidade norueguesa de Brummandal

Prédio na cidade norueguesa de Brummandal terá 81 metros

Alternativa ecologicamente correta

Arquitetos e pesquisadores da Universidade de Cambridge criaram um conceito para o primeiro arranha-céu de madeira de Londres. A estrutura de madeira de 80 andares Oakwood Towers deverá ter 300 metros de altura. "Usar madeira como material de construção pode mudar a forma como construímos nesta cidade", antecipa o arquiteto Kevin Flanagan. "As casas de madeira têm o potencial de criar uma experiência visualmente mais atraente, relaxante e criativa."

Cada vez mais gente está se mudando para as cidades. Através do uso de madeira como material de construção para prédios, a natureza pode retornar aos espaços urbanos.

E a madeira também pode ser uma opção ecologicamente correta: é um recurso renovável, pois cresce novamente depois de ser derrubado. Plantar árvores remove dióxido de carbono da atmosfera: enquanto um prédio de madeira estiver de pé, esse CO2 está impedido de contribuir para a mudança climática. A produção de materiais à base de madeira também requer menos energia do que o aço ou cimento. E mesmo paredes delgadas de madeira fornecem isolamento acústico.

O fato de os edifícios de madeira estarem ficando cada vez altos e extensos se deve às possibilidades inerentes ao material bruto. Compensados e LVL (laminated veneer lumber) podem ser colados para formar várias camadas perpendiculares entre si. A CLT é fácil de processar, muito estável em todas as dimensões e capaz de transferir a própria carga tanto longitudinal como transversalmente.

Gráfico mostrando como ficará o HoHo Wien e área adjacente

Uso da madeira na construção para prédios pode trazer a natureza de volta aos espaços urbanos

Durabilidade e resistência ao fogo

Os elementos de madeira podem ser usados na construção de casas isoladas e geminadas, prédios de vários andares, escolas, edifícios comerciais, religiosos e industriais, componentes de telhados, tetos e paredes.

Seções inteiras podem ser pré-fabricadas e rapidamente montadas no local. Devido à relativa força e leveza da madeira, ela também é adequada para fechar lacunas ou para projetos de construção em edifícios existentes.

Resistência a terremotos é outra vantagem. O arquiteto Kaden refuta as alegações de que madeira possa ser perigosa: "Todo bombeiro bem treinado sabe hoje que uma construção adequada e sólida de CLT resistirá ao fogo por tempo suficiente para que se resgatem os moradores. E no fim de sua vida, uma casa de madeira ainda será fácil de reciclar."

A cidade de Frickingen, em Baden-Württemberg, no sul da Alemanha, vem construindo há 30 anos com os abetos-brancos das florestas locais, tornando-se líder nacional em proteção climática.

No início, porém, o arquiteto Manfred Fetscher teve que lutar por seus projetos. "Nossos preços eram significativamente mais baixos do que os dos nossos concorrentes que não constroem com madeira. Nós éramos obviamente baratos demais, o que parecia suspeito para os clientes."

Hoje, todos estão entusiasmados com os edifícios individuais, diz o prefeito de Frickingen, Jürgen Stukle: "Eles têm charme, mesmo depois de 30 anos. E até agora não tivemos quase nenhum custo com as reformas."

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais