1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Pessoas diante de placar da Saudi Aramco
Saudi Aramco disse esperar que aumento da produção tenha efeito positivo no longo prazoFoto: Reuters/H.I. Mohammed

Arábia Saudita anuncia produção recorde de petróleo

10 de março de 2020

Em meio a disputa com a Rússia que levou a queda acentuada no preço da commodity, estatal Saudi Aramco diz que elevará produção para 12,3 bilhões de barris por dia. Surto de coronavírus tem reduzido demanda por petróleo.

https://www.dw.com/pt-br/ar%C3%A1bia-saudita-anuncia-aumento-da-produ%C3%A7%C3%A3o-de-petr%C3%B3leo-para-n%C3%ADvel-recorde/a-52706134

A Arábia Saudita anunciou nesta terça-feira (10/03) que a petrolífera estatal Saudi Aramco aumentará em abril sua produção de petróleo bruto para um recorde de 12,3 milhões de barris por dia.

A medida foi anunciada após a promessa feita pelo país no último fim de semana de aumentar a produção de petróleo, após a Rússia se recusar a cooperar na redução da produção global. A guerra de preços entre Moscou e Riad levou a uma queda de 30% no preço do petróleo do tipo Brent na segunda-feira, a maior desvalorização diária registrada desde a Guerra do Golfo, em 1991. Após o recuou para cerca de 31 dólares, o preço do barril voltou a subir nesta terça-feira, sendo negociado a cerca de 37 dólares.

Até a última sexta-feira, a própria Arábia Saudita vinha defendendo a redução da produção do petróleo bruto para tentar estabilizar os preços, que vinham caindo desde janeiro, quando teve início o surto do novo coronavírus na China. Porém, a Rússia não aceitou a proposta de novos cortes em reunião com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), da qual os sauditas são membros.

Segundo o jornal Financial Times, a Rússia queria aguardar o impacto real do coronavírus na demanda global por petróleo e testar a indústria petrolífera americana. Em retaliação, os sauditas decidiram aumentar sua produção e oferecer descontos de até 20%, especialmente no noroeste da Europa, um dos principais mercados da Rússia.  

Em declaração feita na bolsa de Tadawul, em Riad, a estatal petrolífera Saudi Aramco (Saudi Arabian Oil Company) afirmou que o aumento na produção representa um acréscimo de 300 mil barris por dia.

"A empresa chegou a um acordo com seus clientes para fornecer esses volumes a partir de 1º de abril de 2020", disse a Saudi Aramco. "A empresa espera que isso tenha um efeito financeiro positivo no longo prazo." A decisão provavelmente pressionará ainda mais os preços.

Nesta terça, as ações da Saudi Aramco subiram 9,7% na bolsa saudita – para 8,25 dólares, o que uma valorização de cerca de 1,65 trilhão de dólares para a companhia mais rentável do mundo. A variação ocorreu um dia depois de as ações da Saudi Aramco despencarem 10% e serem retiradas das negociações por atingirem e perda máxima permitida num dia na bolsa saudita. 

Posteriormente, a televisão estatal saudita citou o ministro da Energia, o príncipe Abdulaziz bin Salman, que afirmou que o país não vê necessidade de uma reunião da Opep em maio e junho.

"Cada produtor de petróleo no mercado livre pode cuidar de sua própria fatia de mercado", disse o ministro, de acordo com a emissora estatal.

A queda no preço do petróleo se dá num momento em que há menos demanda por viagens aéreas em meio à disseminação do novo coronavírus pelo mundo. 

PV/ap/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter