1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: Mia Hoogenboom for ARC Centre of Excellence for Coral Reef Studies

Aquecimento mata 35% da Grande Barreira de Corais

30 de maio de 2016

Pelo menos um terço dos corais do maior recife do planeta já pereceu, alertam cientistas. Aumento da temperatura nos oceanos causado pelas mudanças climáticas é o responsável pelo fenômeno conhecido como branqueamento.

https://www.dw.com/pt-br/aquecimento-mata-35-da-grande-barreira-de-corais/a-19293083

O fenômeno conhecido como branqueamento, causado pelas mudanças climáticas, e a acidificação do oceano já matou 35% dos corais que formam a Grande Barreira australiana, anunciaram cientistas nesta segunda-feira (30/05).

"A recuperação da cobertura de corais deve levar uma década ou mais. Para resgatar os corais maiores e mais velhos que morreram com certeza vai demorar muito mais", diz um comunicado do Centro de Excelência de Estudos de Corais, do Conselho de Pesquisa Australiano (ARC).

O branqueamento do coral significa a morte de organismos como anêmonas e algas dentro dos corais. Ele pode ser causado por alterações na temperatura do oceano. Com a morte da matéria orgânica, resta apenas o esqueleto calcário do coral, de coloração branca.

Uma pesquisa feita pelos cientistas em abril mostrou que o fenômeno atinge 93% da Grande Barreira de Corais, principalmente nas regiões norte e central. Segundo Mia Hoogenboom, pesquisadora do ARC, 95% dos corais na seção sul conseguiram sobreviver. "Esperamos que estes corais clareados levemente consigam recuperar sua cor normal nos próximos meses", afirmou.

Corais de Abrolhos estão ameaçados

Impacto no turismo

Esta é a terceira vez em 18 meses que a estrutura oceânica é afetada pelo branqueamento. Segundo o diretor do ARC, Terry Hughes, o evento atual "é muito mais extremo" do que os anteriores.

O Departamento Australiano do Meio Ambiente confirmou que omitiu sua contribuição ao relatório sobre o impacto das mudanças climáticas das Nações Unidas para evitar consequências negativas sobre o turismo.

A Grande Barreira de Corais, que está na lista dos patrimônios da humanidade da Unesco, é uma das principais atrações turísticas da Austrália e gera 3,9 bilhões de dólares ao ano.

KG/rtr/dpa