Aperto de mão provoca conflito religioso em escola de Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Aperto de mão provoca conflito religioso em escola de Berlim

Recusa de imame de prestar saudação a professora vira discussão e resulta em ação penal. De um lado, acusações de desrespeito e misoginia. Do outro, de intolerância religiosa e xenofobia. Incidente lembra caso na Suíça.

Alegando motivos religiosos, um imame de Berlim recusou-se a apertar a mão de uma professora. Em reação, ela encerrou a conversa em curso, sobre o filho do sacerdote islâmico, acusando-o de falta de respeito e misoginia. Na versão deste, que abriu uma ação penal, tratou-se de injúria, desrespeito à dignidade religiosa e discriminação xenófoba.

O incidente ocorreu na escola particular Platanus, no bairro de Pankow, na zona leste da capital alemã, como relatou a emissora RBB. O ponto de partida foram brigas entre alunos no pátio da escola, o que levou a várias conversas com a mãe e, por fim, também com o pai, Kerim Uçar. Este é um xiita rigoroso do leste da Turquia, com formação teológica em Ghom, no Irã, e em Najaf, no Iraque.

Ao adentrar a sala de conferências, o imame deixou imediatamente claro que, por motivos religiosos, não poderia dar a mão a uma mulher. Segundo a narrativa do casal muçulmano, a partir daí o conflito se acirrou. Por quatro vezes a pedagoga o teria instado, com veemência, a lhe apertar a mão, evocando a necessária prestação de respeito e os costumes alemães.

Uçar contou à RBB ter recusado a imposição de maneira amigável, porém decidida, colocando, em vez disso, a mão sobre o coração como forma de saudação. E esclareceu à professora que, em sua religião, esse gesto seria a mais alta demonstração de respeito possível ao se cumprimentar uma mulher. No entanto, prosseguiu, a professora não quis aceitar a explicação, passou a falar alto e declarou encerrada a conversa.

A Escola Platanus não se pronunciou sobre o ocorrido, mas se declara disposta ao diálogo com a família. Segundo a emissora berlinense, contudo, o conflito é aparentemente insolúvel: os Uçar já rescindiram a matrícula na instituição, instituíram um advogado e apresentaram queixa criminal.

No início do ano, uma disputa semelhante gerou celeuma na Suíça, quando dois colegiais sírios se recusaram a apertar a mão de uma professora. Em maio, autoridades escolares decidiram que, em casos análogos, os alunos podem ser obrigados a prestar a saudação.

Se houver recusa, os responsáveis poderão receber uma advertência ou ter que pagar multa de até 5 mil francos suíços (4.600 euros), enquanto os escolares estão sujeitos a medidas disciplinares. A decisão desencadeou um debate na Suíça sobre liberdade religiosa e a integração dos muçulmanos.

AV/epd/kna

Leia mais